Depois de Angelina Jolie, é a vez de Leonardo DiCaprio estar no centro das mais recentes emails trocados envolvendo gestores da Sony e produtores divulgados de entre as centenas de milhares que foram roubados num ataque informático aos servidores da Sony por um grupo intitulado Guardians of Peace [Guardiões da Paz].

A 18 de setembro, comunicações mostram Mark Gordon, produtor de «Jobs» e Amy Pascal, co-presidente da Sony Pictures, a não pouparem «o lobo de Wall Street» por ter decidido abandonar o «biopic» em preparação sobre o desaparecido co-fundador da Apple.

O primeiro pergunta se terá sido uma questão de dinheiro ou simplesmente ter mudado de ideias. «O segundo caso», responde Pascal, o que Gordon considera um «comportamento horrível». A interlocutora reforça: «Na verdade, desprezível».

Ryan Gosling, no entanto, parece estar mais bem visto pela responsável da Sony. A 3 de outubro, uma agente que representa o ator escreve a Pascal para lhe dizer que o ator adorou-a e quer fazer alguma coisa com o estúdio.

O mail é reencaminhado para Michael De Luca, co-presidente das produções na Columbia Pictures, chegando-se à conclusão que Gosling está interessado no papel masculino que vai existir na nova versão feminina de «Os Caça-Fantasmas». Comunicações subsequentes comentam o delírio que seria ter Gosling, Jennifer Lawrence e Emma Stone no projeto. Outras comunicações no mesmo dia mostram ainda Pascal a querer saber se o ator estaria interessado em «Sinister Six» e «Jobs».

Amy Pascal já pediu desculpa por observações feitas em emails trocados com o produtor Scott Rudin sobre os filmes que seriam apreciados pelo Presidente Obama, que algumas personalidades consideraram racistas. E para os próximos dias o grupo Guardians of Peace promete «uma prenda de Natal» que «irá colocar a Sony Pictures no pior estado».