De 2 a 9 de agosto, o FEST - Festival Novos Realizadores - Novo Cinema assumir-se-á como o primeiro grande festival de cinema pós-confinamento do país.

Mostra de emergentes autores a descobrir e de um novo tipo de cinema com promessas de perdurar, Espinho regressará ao seu estatuto de capital cinematográfica durante uma semana, sendo que, paralela e posteriormente, Lisboa e Porto receberão esse testemunho.

A comédia belga nudista “Patrick”, de Tim Mielants, abrirá a mostra, que englobará cerca de 230 filmes, dos quais dez concorrem ao Lince de Ouro e sete são dirigidos por mulheres.

Ainda nas propostas desta 16ª edição poderemos contar com um cinema “drive-in” e um especial foco na filmografia do francês Quentin Dupieux (”Reality”, “100% Camurça") na secção Be Kind Rewind, e no cinema do realizador letão Aik Karapetian.

O SAPO Mag conversou com Fernando Vasquez, diretor de programação, sobre o desafio de programar, gerir e projetar um festival em tempos de pandemia, e ainda uma verdadeira mostra de promessas do cada mais fragilizado cinema português.

créditos: Facebook Fernando Vasquez

Quais foram as dificuldades que o FEST atravessou e enfrentou nesta pandemia?

Os desafios foram muitos, começando logo pelo facto de a pandemia ter chegado numa fase crítica a nível de programação. De um momento para o outro ficamos sem saber se o evento poderia ter lugar ou não, o que dificultou em muito a negociação de algumas obras. O facto do Festival de Cannes, que é o grande barómetro do lançamento e distribuição de filmes na Europa, ter sido adiado, criou um clima de indefinição sem precedentes dentro da indústria, e a própria World Sales [organização de vendas de direitos mundiais] ficou sem saber que medidas tomar em relação a determinados filmes, se deviam ser lançados na mesma, ou se deviam ser guardados para melhores dias. Assim que a situação se tornou mais clara, o trabalho foi reiniciado. O que vinha a ser feito desde Agosto foi praticamente todo anulado e recomeçamos as preparações em tempo recorde. Apesar de todas as dificuldades, estamos muito contentes com a forma como a nossa equipa, e a indústria de uma forma geral, se comportou. E os resultados estão à vista.

E uma edição 100% online esteve em cima da mesa?
Chegamos a equacionar essa hipótese, mas confesso que ninguém no FEST fez questão de priorizar essa alternativa. Após estudar o impacto dessa alternativa noutros eventos, chegámos rapidamente à conclusão de que não justificava o esforço nem os recursos que teriam de ser empregues. Existe um excesso de conteúdo online e o sucesso destas iniciativas é sempre muito relativo, para não dizer fraco. Nós decidimos que, se o evento fosse ter lugar, teria de ser num formato sempre de uma mais-valia. Se fosse para ser online teria de trazer algo de novo e com grande potencial de melhoria, como foi o que aconteceu com o nosso Pitching Fórum, que acontecerá em formato on line, e com uma presença e produtores e investidores ainda maior do que em anos anteriores. Em relação à exibição de filmes, concluímos que o melhor seria multiplicar as sessões, os espaços e as cidades. Desta forma nasceu a ideia da criação de uma sala "Drive-In" e a expansão de algumas das secções competitivas ao Porto e a Lisboa, para além das sessões habituais em Espinho.

“Jumbo”, de Zoé Wittock

O que destacaria na vossa seleção oficial? Que surpresas poderemos encontrar na edição deste ano?

Começando pela competição de longas-metragens, que este ano conta com sete mulheres realizadoras num total de dez filmes, destaco de imediato a presença de “Jumbo”, de Zoé Wittock, uma das mais badaladas obras neste último Festival de Sundance. É exatamente o tipo de filme que queremos exibir, uma obra de uma nova voz sem paralelo na cena mundial, impressionantemente inovador e arrojado. O filme perfila-se já para ser uma dos grandes sucessos do ano.
Destaco ainda o “Babyteeth”, da australiana Shanon Murphy, um dos grandes vencedores em [festival] Veneza, também ele muito arrojado por “brincar” com o cancro e a forma como uma família lida com tamanho problema. O “Pacificado”, de Paxton Winters, grande vencedor da Concha de Ouro em [festival] San Sebastián, também merece uma nota especial, até porque se trata de um "thriller" de favela poderoso e cuja ação se desenrola no período pré-Jogos olímpicos do Rio de Janeiro, o início das transformações sociais e políticas que tornaram o Brasil no barril de pólvora que é hoje. Nos documentários, refiro também “the Earth In Blue As An Orange”, da ucraniana Iryna Tsilyk, que venceu o prémio de realização em Sundance.
A nível de curtas, a qualidade e tom mantêm-se. O Grande Prémio Nacional merece todo o destaque, com os regressos de cineastas como António Sequeira, Miguel D e João Monteiro.
Quanto às secções temáticas, grande foco para a Letónia, país em evidência na secção Flavours of the World, e em particular o cineasta Aik Karapetian, o grande timoneiro da nova onda letã, que reaparece neste FEST 2020 com duas das suas melhores obras: “People Out There” e “Man in the Orange Jacket”. E claro está, o "Drive-In" é a grande novidade e terá um programa especial, com duas sessões diárias, uma de comédia e outra de cinema fantástico. Enfim, serão exibidas mais de 230 obras nesta edição do FEST, por isso há muito para destacar.

"The Man in the Orange Jacket", de Aik Karapetian

A extensão da programação em Lisboa e Porto é uma parcela de uma projeção a nível nacional do festival?

O FEST já vem exibindo filmes fora de Espinho há muito tempo. Sempre exibimos obras no Porto e em vários pontos do país e Europa. Mas nunca o tínhamos feito durante a semana do evento propriamente dito. Sempre foi uma ambição, mas tendo em conta a complexidade de todas as atividades que habitualmente organizamos durante o festival, tinha sido sempre impossível fazê-lo nesse período. Agora que o Training Ground, Directors Hub e várias outras iniciativas foram adiadas para 2021, chegou o momento de dar esse salto e permitir que outras comunidades descubram o nosso trabalho, e mais importante ainda, o das grandes referências do futuro do cinema. É obviamente uma extensão que gostaríamos que se prolongasse no tempo.

Que desafios o festival espera encontrar?

Acima de tudo, o mais imperativo é manter as condições de segurança, que serão apertadas, desde o limite de lotação das salas e espaços, à impossibilidade da presença física dos cineastas, afetando o diálogo que é habitualmente mantido com a audiência. Este ano, haverá menos conversa e contacto físico, o que era sem dúvida uma das mais-valias do nosso evento, que sempre se focou muito neste aspeto social. Em 2020, terão de ser os filmes a cumprir essa função e estamos confiantes que são capazes de fazê-lo com grande sucesso. Mas o desafio principal será descobrir até que ponto as audiências nacionais estão prontas para responder à chamada.

Expectativas para o futuro?

Obviamente que ainda é cedo para se tirarem grandes conclusões. O mais importante é sabermos que a nossa estrutura é capaz de aguentar um período tão turbulento como este e que, apesar dos muitos desafios, foi sempre capaz de encontrar uma resposta à altura. Depois do evento vai tudo depender de como a indústria em geral se adaptar ao momento. Estou confiante de que esta experiência do Covid-19, para além dos muitos efeitos negativos que já teve e terá no futuro, a longo prazo vai estimular uma mudança de hábitos por parte da audiência, que no fundo era já um problema precedente à pandemia. Espero que se desenvolva um interesse e apetite crescente pela experiência coletiva de cinema em sala. Sei que a maioria das pessoas no nosso setor têm uma perspetiva muito negra em relação a este assunto, mas estou confiante que é exatamente nos momentos de aflição e pressão extrema que as melhores mudanças acontecem.

Newsletter

Fique a par de todas as novidades do SAPO Mag. Semanalmente. No seu email.

Notificações

Os temas quentes do cinema, da TV e da música estão nas notificações do SAPO Mag.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.