A HISTÓRIA: Spenser - um ex-polícia mais conhecido por criar problemas, em vez de os resolver - acabou de sair da prisão e está a deixar Boston definitivamente. Mas antes é convencido a ajudar o seu velho treinador de boxe e mentor com um amador promissor. Ele é o Hawk, um impetuoso lutador de MMA convencido que será um oponente mais duro que Spenser alguma vez foi.


"Spenser: Confidencial" é a epítome do que um filme Netflix deve ser e se descartou do que poderia ser.

Esclarecendo: existem filmes na plataforma que são pérolas cinematográficas "encaixotadas" num ecrã de 32 polegadas. Outros são filmes-almofada, que servem para encostarmos a cabeça até adormecermos ou para existirem como ruído de fundo.

"Spenser: Confidencial" faz parte desta segunda categoria, trazendo consigo o acréscimo de ter uma "check-list" bastante apetrechada das idiossincracias de Mark Wahlberg: interpreta um polícia caído em desgraça; tem uma personalidade obtusa e persistente; pavoneia-se em tronco nú na primeira parte e mostra que nunca irá mudar a atitude na segunda, mesmo que isso lhe traga constantes problemas na vida.

A trama envolve um polícia de Boston, saído da prisão depois de fazer justiça pelas próprias mãos contra um superior seu. No dia seguinte à sua libertação, esse “dirty cop” é assassinado e todas as suspeitas caem imediatamente no nosso protagonista. A partir daí, explana-se uma construção algorítmica de sequências e montagem recauchutadas, enquanto Wahlberg “limpa” o seu nome ao pontapé e à cabeçada.

A tipificação da figura é naturalmente um apetrecho no catálogo Netflix, disposta a transformar este primeiro volume no início de uma franquia que evoca "Spenser: For Hire", uma série televisiva dos anos 80.

Como na série, temos também um rol de personagens que gravitam em volta de Spenser: Alan Arkin é o mentor desbocado e certeiro; Hawk (que na série televisiva era mais do que um simples "sidekick") é interpretado por Winston Duke num modo inerte e sonâmbulo; a comediante Iliza Shlesinger é a ex de Spenser, irritada e aborrecida, que soa descabida e pouco natural quando tem os holofotes para debitar "punchlines" em vez de ter piada; Bokeem Woodbine, no papel do antigo parceiro, age como um "twist" ambulante prestes a ser desmascarado.

Infelizmente, embora todos consigam colorir a sua bruta atitude, não têm espaço para serem mais do que acessórios de embelezamento e o que podia ser um jogo nostálgico repleto de cânones dos investigadores privados, com algumas achegas de atitude e nervo, perde-se por não ter comédia, ação coreografada com estilo ou músculo, ou um simples mistério que não fosse revelado ao fim de 15 minutos.

"Spenser: Confidencial" não passa de um exercício preguiçoso com um guião ligado de furo em furo pelo picotado e uma desilusão da Netflix.

"Spenser: Confidencial": disponível na Netflix a partir de 6 de março.

Crítica: Daniel Antero

Newsletter

Fique a par de todas as novidades do SAPO Mag. Semanalmente. No seu email.

Notificações

Os temas quentes do cinema, da TV e da música estão nas notificações do SAPO Mag.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.