“Com um programa que cruza as áreas da música, performance, dança interativa, artes visuais e new media e pensamento, o evento ambiciona abrir um debate sobre as divergências e convergências entre Inteligência Natural e Inteligência Artificial”, referiu a organização em comunicado.

Para além de Hecker e Brown, o Vivarium vai contar também com o produtor Proc Fiskal, a artista Jung in Jung, a bailarina e coreógrafa Dasniya Sommer, para além de uma exposição coletiva que “revisita o arquivo fotográfico” do Maus Hábitos, “casa-mãe” do festival que este ano se estende a outros espaços como Passos Manuel, Ateneu Comercial e Reitoria da Universidade do Porto.

O Vivarium vai também incluir uma oficina em “realidade mista”, orientada por Isabel Valverde, e uma conferência em filosofia sob o mote “Criar conceitos – Seguir regras: Um diálogo improvável entre Deleuze e Wittgenstein”, mediada por Sofia Miguens Travis.

A primeira edição do Vivarium realizou-se no ano passado com o objetivo de discutir a relação entre a cultura humana e a cibernética, através de 'performances', conversas, exposições e música.

Na altura, a curadora Marianne Baillot explicou à Lusa que o Vivarium, a acontecer de forma anual, vai ser dotado de uma “abordagem multidisciplinar” que pretende que o evento vá além das artes visuais e se foque no lugar do corpo no contexto da sociedade atual.

Newsletter

Fique a par de todas as novidades do SAPO Mag. Semanalmente. No seu email.

Notificações

Os temas quentes do cinema, da TV e da música estão nas notificações do SAPO Mag.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.