“Colocar em paralelo a música e o corpo, com todo o seu movimento, torna difícil imaginar se será a dança a revelar as características intrínsecas da música, como se a traduzisse; ou a música que enaltece os movimentos do corpo e o dirige numa gestualidade musical”, descrevem os criadores de “Last".

São Castro e António Cabrita, que conceberam o novo espetáculo, são bailarinos, coreógrafos e diretores artísticos da Companhia Paulo Ribeiro que, a par do Teatro Viriato, celebra 20 anos de residência artística nesta sala de espetáculos de Viseu.

Esta criação “totalmente dedicada à relação entre o corpo humano e a música” abre a nova temporada da companhia.

“Tal como os antepassados acreditavam, a música torna os sentimentos visíveis, os movimentos reais: ouvimos a música, criamos a dança. Enaltecemos esta relação eterna e inevitável, mantendo a sua individualidade", continuam os autores que se inspiraram na “poética e [na] ousadia” de Beethoven.

“Last” nasce a partir dos últimos quartetos de cordas de Beethoven (“The Late String Quartets”), designação normalmente associada aos opus 127, 130/133 e 135, do compositor alemão (Quartetos n.ºs 12 a 16 e "Grande Fuga").

Sequências destas obras, deverão constituir assim o “principal condutor da coreografia” apresentada por cinco bailarinos que dão corpo a este espetáculo que surge também como uma forma de celebração, em 2020, dos 250 anos do nascimento do chamado Mestre de Bona.

Sob a direção de São Castro e António Cabrita vão estar em cena os bailarinos Ana Moreno, Ester Gonçalves, Guilherme Leal, Miguel Santos e Rosana Ribeiro que estarão acompanhados, em palco, pelo Quarteto de Cordas de Matosinhos, composto por Vítor Vieira e Juan Carlos Maggiorani (violinos), Jorge Alves (viola) e Teresa Valente Pereira (violoncelo).

“O quarteto [de Cordas de Matosinhos] é um dos agrupamentos mais profícuos em Portugal, desenvolvendo um importante trabalho de preservação da herança musical portuguesa e europeia”, defendem os criadores artísticos da companhia de dança.

Segundo a diretora do Teatro Viriato, Paula Garcia, coreografar os últimos quartetos de Beethoven, as suas derradeiras grandes composições, "é um exercício bastante difícil”, uma vez que se tratam "das obras mais difíceis de serem interpretadas”.

Beethoven nasceu em Bona, em 1770, há 250 anos, e morreu em Viena, em 1827. Os seus derradeiros quartetos foram concluídos nos anos de 1825 e 1826, e estão, segundo atuais correntes da musicologia, entre "as mais importantes obras" da História da Música.

"Last" é uma produção da Companhia Paulo Ribeiro e coprodução do Teatro Municipal do Porto, do São Luiz Teatro Municipal e do Teatro Viriato em Viseu, tem o apoio da Câmara Municipal de Viseu, através do programa Viseu Cultura, e sobe a palco às 21:30, dos próximos dias 19 e 20.

Newsletter

Fique a par de todas as novidades do SAPO Mag. Semanalmente. No seu email.

Notificações

Os temas quentes do cinema, da TV e da música estão nas notificações do SAPO Mag.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.