A nova versão de "Caça-Fantasmas" correu mal nas bilheteiras e o seu realizador, Paul Feig, "não vai voltar à Sony nos tempos mais próximos", antecipou com humor Dan Aykroyd ao canal britânico Channel 4.

Para o ator, que entrou no filme original de 1984, do qual também foi um dos argumentistas, o fracasso não teve nada a ver com as protagonistas serem mulheres ou as interpretações.

"As miúdas são óptimas no filme. Kate McKinnon, Melissa McCarthy, Kristen Wiig – que atrizes maravilhosas que são – e Leslie Jones. Fiquei realmente feliz com o filme, mas custou demasiado. E a Sony não gosta de perder dinheiro. Fez muito dinheiro à volta do mundo, mas simplesmente foi muito caro, tornando economicamente inviável fazer outro. Portanto, é uma pena", garantiu.

Dan Aykroyd não ficou por aí e defendeu que algumas decisões questionáveis do realizador Paul Feig é que tornaram o filme muito caro.

"O realizador gastou muito dinheiro nele. Ele não filmou cenas que lhe sugerimos. Algumas cenas que viriam a ser necessárias e disse 'Não, não precisamos delas'. Depois testámos o filme [junto do espectadores] e precisaram delas e tiveram que voltar. Cerca de 30 a 40 milhões em refilmagens. Portanto, ele não vai voltar à Sony nos tempos mais próximos", concluiu com alguma malícia.

Normalmente, é necessário que um filme faça nas bilheteiras três vezes o que custou para o estúdio recuperar todos os custos, incluindo os de marketing. "Caça-Fantasmas" teve um orçamento para lá de 140 milhões de dólares e apenas fez 229,1 a nível mundial.

Paul Feig, muito ativo nas redes sociais, ainda não reagiu, mas ainda a 2 de junho elogiava Dan Aykroyd e dizia ser "uma honra conhecê-lo".

Veja o excerto do programa.

Newsletter

Fique a par de todas as novidades do SAPO Mag. Semanalmente. No seu email.

Notificações

Os temas quentes do cinema, da TV e da música estão nas notificações do SAPO Mag.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.