«Twilight Portrait», que constitui uma estreia da realizadora russa Angelina Nikonova, retrata a história de Marina, uma assistente social que decide enfrentar o próprio passado traumático.

O júri oficial da edição 2011 do Lisbon & Estoril Film Festival foi composto pelos escritores John M. Coetzee, Nobel da Literatura, e ainda Don DeLillo, Paul Auster e Siri Hustvedt, o violinista Gidon Kremer e o artista plástico José Barrias.

«Une Vie Meilleure», do realizador francês
Cédric Kahn, conquistou o Prémio Especial do Júri - João Bénard da Costa. Esta película é protagonizada por
Guillaume Canet e
Leïla Bekhti e conta a história de Yann e Nadia, que decidem abrir um restaurante, mas cujo sonho ameaça ruir quando ela decide aceitar um emprego no estrangeiro.

O júri oficial da secção competitiva decidiu atribuir ainda duas mençõers especiais às longas-metragens
«Amnesty», de Bujar Alimani, filme albanês sobre um homem e uma mulher que se apaixonam enquanto os respetivos companheiros se encontram presos, e a
«Oslo, August 31st», de Joachim Trier, que acompanha um dia na vida de um jovem toxicodependente em reabilitação à medida que este vagueia por Oslo.

O Prémio Cineuropa, cujo vencedor foi decidido por Cristina Soldano, dramaturga, cenógrafa e Directora Artística do Festival de Cinema Europeu de Lecce, foi também entregue a
«Une Vie Meilleure», de Cédric Kahn.

O júri do Encontro de Escolas Europeias, constituído pela atriz e realizadora
Valeria Bruni-Tedeschi, o reputado diretor de Fotografia Peter Suschtizky, o escritor e dramaturgo Peter Handke e o coreógrafo Rui Horta, atribuiu o Prémio MEO ex-aequo às curtas metragens
«Here I Am», de Bálint Szimler, da University of Theatre and Film, de Budapeste, e
«Aman (Safe and Sound)», de Ali Jaberansari, da London Film School.

O Júri atribuiu ainda Menções Honrosas aos filmes
«Frozen Stories», de Grzegorz Jaroszuk, da Polish National Film Television and Theater School, em Lodz, e
«L'Estate che non Viene», de Pasquale Marino, do Centro Sperimentale di Cinematografia - Scuola Nazionale di Cinema, de Roma.

O Prémio L'Oreal, que tem destacado os mais promissores talentos do cinema nacional, foi entregue este ano ao ator
Miguel Nunes. O Prémio Canon foi atribuído à curta-metragem
«Encadeados», realizada por Ana Delgado Martins.

A decorrer desde 4 de novembro em Lisboa e no Estoril, o festival, dirigido por Paulo Branco, encerrou hoje com o anúncio dos premiados, no Cinema São Jorge, em Lisboa, e com a exibição do filme, em ante-estreia nacional, de
«A Pele Onde eu Vivo»), do cineasta espanhol
Pedro Almodóvar.

SAPO/Lusa

Newsletter

Fique a par de todas as novidades do SAPO Mag. Semanalmente. No seu email.

Notificações

Os temas quentes do cinema, da TV e da música estão nas notificações do SAPO Mag.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.