Será que vale a pena matutar o porquê de Hollywood continuar a persistir em obras do calibre de “Midway”? O presunçoso documentário-propagandista bélico vencido pelo CGI que descarta qualquer veia humana e emocional e sobretudo tom crítico ao cenário geopolítico evidenciado?

Claro que não. Esse tipo de reflexões não faz sentido numa indústria que anseia captar a nostalgia (seja a nível material, seja a nível de formal) e a mensagem definida por razões comerciais.

O resultado é mesmo este, “Midway”, que deveria restaurar a fé no "ex senhor blockbuster" Roland Emmerich (“O Dia da Independência”, “2012”), mas é pólvora que não arde, apenas intensifica as velhas manias de um cinema que não tem importância para as novas audiências, muito menos para as mais experientes.

Isso é tão evidente que Pearl Harbor, o grande fracasso militar dos EUA de 7 de dezembro de 1941, é apenas descrito neste cinema como uma via direta para uma retaliação, uma espécie de mensagem motivacional para o ego de um país que então se mantinha neutro perante as atrocidades da Segunda Guerra Mundial na Europa e Ásia.

"Midway” repesca a homónima batalha do Pacífico que, após esse fatídico ataque à Marinha no Havai, ditou a alteração do rumo do conflito entre os norte-americanos e os japoneses que todos sabemos como acabou. É o pretexto para expor patriotismo cego, coletânea de condecorações e pirotecnia salta-pocinhas sem desenvolvimento alguns das suas personagens… perdão, figuras pedagógicas e estereotipadas (com cabeças de cartaz para justificar um informativo "power point" final).

No fim de contas, perante este retalhista narrativo (até Dennis Quaid pede licença para se coçar e sai de cena), a equívoca moral desta "história" é que a Segunda Guerra Mundial foi vencida por “cowboys”, homens de coragem e patriotismo mas sem equipamento de topo, movidos por atos inconsequentes e igualmente emotivos.

Vazio por vazio, "Midaway" consegue pelo menos a proeza de nos fazer chegar a sentir uma ligeira saudade do trio amoroso de “Pearl Harbor” de Michael Bay formado por Ben Affleck, Josh Hartnett e Kate Beckinsale. Porque até nele existia um certo fascínio militar e um “esforço” (mesmo em vão) de ficcionar uma história. Aqui, Roland Emmerich apenas ensaia um embrião de videojogo bélico, involuntariamente ridículo e preso às convenções dos “factos reais”.

"Midway": nos cinemas a 7 de novembro.

Crítica: Hugo Gomes

Trailer:

Newsletter

Fique a par de todas as novidades do SAPO Mag. Semanalmente. No seu email.

Notificações

Os temas quentes do cinema, da TV e da música estão nas notificações do SAPO Mag.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.