De robe branco e fones sem fio, o artista Billy McFarland, de 31 anos, disse num vídeo publicado no Instagram que esta segunda edição será diferente.

"Foi uma viagem louca chegar até aqui. E tudo começou no meu sétimo período de confinamento solitário", afirmou.

A edição de 2017 do Fyre foi promovida por influenciadores e famosos como a "experiência cultural da década" numa ilha deserta das Bahamas.

Porém, após pagarem milhares de dólares, os participantes que chegaram à ilha de Exuma para viver essa experiência encontraram apenas sandes de queijo, barracas do tipo das utilizadas em ações humanitárias e nada de música.

Em 2018, McFarland admitiu ter agido de forma fraudulenta. Foi condenado a seis anos de prisão e a reembolsar 26 milhões de dólares. Após quatro anos atrás das grades, passou a cumprir prisão domiciliária em setembro do ano passado.

No seu novo vídeo, McFarland disse que, na prisão, idealizou numerosos projetos para o "interesse e a procura pelo Fyre", entre eles um documentário e um musical da Broadway, antes de decidir realizar uma nova edição do evento.

Ele afirma que os primeiros 100 bilhetes para o Fyre Festival II já foram vendidos e que todo o valor arrecadado nesta edição ficará depositado "até que se anuncie a data" do evento, que espera concretizar no final de 2024.

Ainda não se sabe onde a segunda edição do festival será realizada nem que artistas vão atuar. Na página do evento na internet há um link para o Google Maps, que ao ser clicado aponta para o mar das Caraíbas.

Tudo o que se passa à frente e atrás das câmaras!

Receba o melhor do SAPO Mag, semanalmente, no seu email.

Os temas quentes do cinema, da TV e da música!

Ative as notificações do SAPO Mag.

O que está a dar na TV, no cinema e na música!

Siga o SAPO nas redes sociais. Use a #SAPOmag nas suas publicações.