A edição é em grande formato (26,2 x 35mm), traz encadernação em capa dura, papel “couché” e, principalmente, é ricamente ilustrada pelo artista francês François Baranger. A Saída de Emergência, companhia que iniciou em 2005 a publicação em português de obras do escritor norte-americano falecido em 1937, é a responsável pelo lançamento – que segue outro feito em 2018 que reunia uma série de alguns dos melhores contos de Lovecraft.

O livro narra uma história que envolve investigação e mistério, sacrifícios rituais e uma terrível e inominável criatura adormecida há milhares de anos. Não muito notada na época em que viveu, a obra do autor exerce hoje uma profunda influência no género fantástico – sendo o exemplo mais recente a série televisiva “Stranger Things”.

O SAPO Mag aproveitou a oportunidade e conversou com o escritor Ricardo Amorim, que há dias apresentou o lançamento do livro no festival de cinema de terror Motelx, sobre o sempre recorrente universo “lovecraftiano”.

SAPO Mag - O que pode dizer sobre esta edição e, particularmente, sobre as ilustrações?
Ricardo Amorim - O formato do livro é magnífico e há um jogo de cartas de “role play” que tem personagens do universo de Lovecraft. Quanto ao visual, o que torna a edição especial é que François Baranger não se limita a representar os monstros descritos no texto: ele tem uma visão cinematográfica, apresenta um contexto, locais geográficos e sugere em vez de apresentar. Não é uma ‘caderneta de cromos’, por assim dizer. As ilustrações fornecem um bom acompanhamento à leitura, especialmente porque uma das características da prosa do escritor são as descrições exaustivas, barrocas até, muito adjetivadas – mas, por outro lado, existe aquilo que ele sugere, que não descreve mas que está lá e Baranger não anula o trabalho de imaginar do leitor. Há uma simbiose muito bem conseguida.

O Despertar de Cthulhu

H.P. Lovecraft não teve grande sucesso em vida e nunca imaginaria o quanto a sua obra se estenderia depois da sua morte.
Ele não começou com essas dificuldades económicas, já que provém de uma família bastante abastada e nunca trabalhou. Ele saiu da escola muito novo e aos 18 anos entrou numa depressão profunda – durante a qual esteve cerca de nove anos sem sair de casa. Ele tinha acesso à biblioteca do seu avô e, durante esse período, começou a ler muito, inclusive Edgar Allan Poe, que foi um autor que o marcou bastante. Também se interessou pelas “pulp magazines”, que eram revistas que publicavam autores amadores e foi aí que ele teve uma oportunidade para fazer o que realmente gostava. Mas nunca teve grande sucesso, nunca publicou um livro, ficou sempre restrito aos “pulps”. Ao mesmo tempo ele tinha muita correspondência, estima-se que tinha cerca de 120 mil cartas escritas – algumas mais longas que os muitos contos que escreveu. De certa maneira a sua correspondência prejudicou a sua obra de ficção, mas também através dela ele criou uma vasta rede de contactos, de admiradores, de autores cujo trabalho ele lia, criticava e dava dicas. Com o “Despertar de Cthulhu”, ele criou um universo de mitologia de deuses e criaturas que incentivava outros escritores a continuarem. Assim, os seus “mitos cthulhianos” estão também presentes em muitas obras – como as de Robert Howard, que escreveu “Conan, o Bárbaro”, ou Robert Block, autor de “Psycho”. Hoje autores como Stephen King continuam a trazer os mitos.

Porque é que na altura ele não foi compreendido e mais tarde veio a ser aceite?
Ainda hoje há esse preconceito contra a literatura do fantástico, esse conceito de que é amador, algo menor, que não é levado a serio. Ele pegou no conto tradicional de terror, o terror gótico e trouxe-o para um universo cósmico. Ele era ateu e o terror tinha sempre uma estrutura moral, o Bem e o Mal, um universo cósmico onde o homem é insignificante perante a magnitude do cosmos. Ele dessacralizou o terror, trouxe-o para esse universo. No caso de “O Despertar de Cthulhu”, foi escrito em 1926 e editado em 1928, já havia ocorrido a Primeira Guerra Mundial e a seguir há a Grande Depressão nos Estados Unidos. A partir desta fase de dificuldades as pessoas foram ficando mais recetivas a este tipo de literatura. Depois da Segunda Guerra houve a perceção de que o Mal pode estar concentrado numa criatura – neste caso Hitler, depois Estaline, houve essa materialização do Mal e a ideia de que ele não tinha limites. Há uma metáfora bastante evidente na literatura de terror quanto a isso tudo, de forma que as pessoas se foram tornando mais recetivas às suas histórias. Mais tarde a sua obra disseminou-se de tal forma na cultura popular que hoje é indissociável dela, aparecendo em séries televisivas, música e outros livros. Basta reparar em “Stranger Things”, por exemplo, para ver a quantidade de referências ao seu trabalho.

Newsletter

Fique a par de todas as novidades do SAPO Mag. Semanalmente. No seu email.

Notificações

Os temas quentes do cinema, da TV e da música estão nas notificações do SAPO Mag.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.