Robert De Niro deu um pouco de drama à cerimónia dos prémios Gotham na segunda-feira à noite ao perceber que parte do seu discurso no teleponto tinha sido omitido.

A lenda do cinema norte-americano subiu ao palco para receber o prémio "Gotham Historical Icon and Creator Tribute" em representação do seu filme "Assassinos da Lua das Flores" quando viu que uma parte do discurso que tinha submetido não estava no teleponto: a parte política, incluindo contra o ex-presidente dos EUA Donald Trump.

"Vou voltar atrás. Peço desculpa. Ok, existiu um erro nisto. Vou continuar. Continuem a andar", vê-se o ator de 80 anos a dizer no início, confuso em relação ao que estava a ver no teleponto.

Quando se percebeu que uma parte gigantesca do seu discurso não estava mesmo disponível, não escondeu o desagrado.

"Só quero dizer uma coisa. O início do meu discurso foi editado, removido, e não sabia disso. E quero lê-lo", disse ao público, que reagiu com entusiasmo ao ator, que nos anos mais recentes se tem destacado pelos discursos politicamente violentos.

A ler do seu telefone, De Niro começou por dizer que "a História não é mais História. A verdade não é verdade. Até os factos estão a ser substituídos por factos alternativos e impulsionados por teorias da conspiração e fealdade. Na Flórida, os jovens estudantes aprendem que os escravos aprenderam capacidades que poderiam ser aplicadas para seu benefício pessoal".

Remetendo para o que é retratado no filme de Martin Scorsese, citou John Wayne sobre "tirar este grande país" dos nativos americanos antes de criticar Trump por "nos mentir mais de 30 mil vezes durante os seus quatro anos de mandato. E está a manter o ritmo na sua atual campanha de retribuição".

"Com todas as suas mentiras, não pode esconder a sua alma. Ataca os fracos, destrói os dons da natureza e mostra o seu desrespeito, por exemplo, ao usar Pocahontas como um calúnia”, acrescentou.

Normalmente, os discursos destes prémios especiais são reencaminhados pela distribuidora do respetivo filme à organização do evento. Por isso, quando chega à parte que já estava no teleponto, um visivelmente zangado DeNiro sugere claramente que acha ter sido a Apple a responsável pela censura do seu discurso.

"Portanto, vou dizer essas coisas à Apple e agradecer-lhes e tudo mais. Gotham, blá, blá, blá, mas realmente não tenho vontade de lhes agradecer de todo pelo que fizeram. Na verdade, como se atreveram a fazer isto. Mas agora irei receber o prémio", comentou.

VEJA O MOMENTO.

Tudo o que se passa à frente e atrás das câmaras!

Receba o melhor do SAPO Mag, semanalmente, no seu email.

Os temas quentes do cinema, da TV e da música!

Ative as notificações do SAPO Mag.

O que está a dar na TV, no cinema e na música!

Siga o SAPO nas redes sociais. Use a #SAPOmag nas suas publicações.