O músico sobe, no dia 14 daquele mês, ao palco do Santiago Alquimista, deslocando-se, no dia seguinte, a Braga, onde irá actuar no Theatro Circo.

Na bagagem traz “Ark”, o seu novíssimo trabalho de originais, editado cerca de onze anos depois do seu antecessor, “Eye of the Hunter” (1999).

Os bilhetes para os dois espectáculos, com início previsto para as 22h00, têm o preço único de €25.

Sobre Brendan Perry:

Brendan Michael Perry nasceu em Londres, a 30 de Junho de 1959. Filho de mãe irlandesa e pai londrino, era o mais velho dos três filhos do casal Anne e Michael.

À excepção de um curto período num coro de liceu, nunca tinha tido aulas de música, mas, sozinho, começou a aprender a tocar guitarra aos catorze anos. Em 1973 os pais emigram para a Nova Zelândia e levam os filhos com eles. Por esta altura, a música já fazia parte da vida de Perry e, aos 17 anos, o músico começou a tentar tocar nas primeiras bandas.

Ainda não suficientemente capacitado para ser aceite pelos grupos mais progressivos, encontrou refúgio nos The Scavengers e, no calor de um movimento em ebulição, transformou-se num pioneiro do punk por aquelas paragens. Mysterex, co-escrita por Perry, transformou-se num dos singles punk rock mais famosos da Nova Zelândia.

Eventualmente os músicos mudam-se para a cosmopolita Melbourne, mudam de nome para The Marching Girls, embarcam por uma direcção mais pop, e Perry acaba por abandonar o projecto.

Influenciado pelos PIL e Joy Division, começa a trabalhar com percussão, sintetizadores e loops – sempre sozinho. Conhece Lisa Gerrard e os Dead Can Dance acabam por nascer ainda na Austrália, mas, face às reacções pouco calorosas que receberam as primeiras actuações ao vivo, acabam por tentar a sorte em Londres.

O projecto assina contrato com a lendária 4AD em 1988 e, durante os16 anos seguintes, lança oito álbuns e um disco ao vivo - todos aclamados pela crítica e pelo público.

Foi ainda durante o processo de escrita do nono disco de estúdio que a química entre Perry e Gerrard começou a deixar de funcionar, sendo que os dois músicos decidiram então seguir caminhos separados.

“Eye Of The Hunter”, editado em 1999, deu início à carreira a solo de Perry e mostrou-o em regime ainda mais introspectivo. Não é por isso totalmente estranho que, à excepção dos concertos que deu com os Dead Can Dance em 2005, o multi-instrumentista tenha passado a última década ocupado com workshops de percussão e com a criação dos The Salamanders, uma escola/comunidade de samba.

Onze anos depois do último álbum de originais, surge agoraum novodiscoem nome próprio, que promete apaixonar quem o ouvir. “Ark” foi escrito, gravado e produzido pelo próprio Perry – afirmando-se como o trabalho mais independente e pessoal que assinou em toda a sua carreira.

Newsletter

Fique a par de todas as novidades do SAPO Mag. Semanalmente. No seu email.

Notificações

Os temas quentes do cinema, da TV e da música estão nas notificações do SAPO Mag.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.