A agência Johnny and Associates, que desde a sua fundação no início dos anos 1960 por Kitagawa dominou a indústria do entretenimento no Japão, tem a seu crédito o surgimento de bandas como SMAP, TOKIO e Arashi, muito populares em toda a Ásia.

Kitagawa morreu em 2019, aos 87 anos. Durante décadas, foi alvo de rumores sobre abuso sexual de jovens que esperavam fazer carreira na pop japonesa.

A agência contratou uma comissão composta por um advogado, um psiquiatra e um psicólogo para investigar as denúncias de abuso sexual. Também recomendou que a atual presidente, Julie Fujishima, sobrinha de Kitagawa, renunciasse ao cargo, pois ela estava ciente das acusações há muito tempo, mas "não fez nenhuma investigação".

O relatório da comissão cita descrições precisas de abuso sexual recolhidas durante entrevistas com 41 alegadas vítimas de agressão e testemunhos de funcionários da agência. Segundo a investigação, as agressões sexuais contra jovens talentos podem remontar à década de 1950, antes mesmo da fundação da agência.

A polémica surgiu após a transmissão, em 2023, de um documentário na emissora de televisão pública britânica, a BBC. Muitas vítimas descreveram os atos sexuais, aos quais foram submetidas, e os traumas psicológicos decorrentes das agressões, incluindo a impressão de se sentirem "manchadas".

As denúncias de abuso apareceram na imprensa japonesa em 1999, e Kitagawa iniciou, com sucesso, um processo por difamação. O veredito foi parcialmente anulado após recurso, e ele nunca foi acusado.

"A substituição da atual presidente é indispensável para que a agência se reforme e recomece do zero”, estimou o painel de investigadores.

Tudo o que se passa à frente e atrás das câmaras!

Receba o melhor do SAPO Mag, semanalmente, no seu email.

Os temas quentes do cinema, da TV e da música!

Ative as notificações do SAPO Mag.

O que está a dar na TV, no cinema e na música!

Siga o SAPO nas redes sociais. Use a #SAPOmag nas suas publicações.