Entre as obras - que estarão em exposição pública durante dez dias antes do leilão - encontram-se criações de artistas como Damien Hirst e Henry Moore.

No conjunto estão 267 pinturas, na sua maioria de artistas do século XX, do Reino Unido, cujo valor global ascende a dez milhões de libras (quase 12 milhões de euros).

Intitulado "#BowieCollector", o leilão vai dividir-se em três partes, duas delas com arte moderna e contemporânea, e uma terceira centrada em peças do desenhador italiano Ettore Sottsass e do Grupo Memphis.

David Bowie morreu a 10 de janeiro, em Nova Iorque, vítima de cancro, dois dias após lançar o seu derradeiro álbum, "Blackstar", gravado quando já se encontrava doente.

O autor de temas como "Life on Mars" e "Space Oddity" escondeu dos olhos do público a sua faceta de colecionador de pintura, escultura e móveis, que agora se revelam pela primeira vez.

No leilão será possível adquirir trabalhos de autores como Graham Sutherland, Frank Auerbach, Stanley Spencer, Patrick Caufield e Peter Lanyon, Marcel Duchamp, Henry Moore, peças de arte africana contemporânea, arte marginal e surrealismo, movimentos pelos quais Bowie - que também arriscou a pintura - tinha um gosto especial, como os trabalhos do chamado "Grupo Gugging”, feitos por pacientes da clínica psiquiátrica de Viena.

A peça mais valiosa é "Air Power" (1984), um 'graffiti' de Jean-Michel Basquiat, com um preço estimado entre 2,5 e 3,5 milhões de libras (2,9 e 4,1 milhões de euros).

Bowie comprou esta pintura, que mostra rostos agressivos sobre um fundo em vermelho intenso sobre diferentes tons de castanho, um ano depois de protagonizar o filme "Basquiat" (1996), no qual interpretou o artista da 'pop art' Andy Warhol.

Newsletter

Fique a par de todas as novidades do SAPO Mag. Semanalmente. No seu email.

Notificações

Os temas quentes do cinema, da TV e da música estão nas notificações do SAPO Mag.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.