A estrela da música eletrónica vai tentar chamar a atenção para a "urgência de salvar o Mar Morto" no concerto que decorre na noite de quinta-feira, segundo declarou em entrevista à AFP.

O nível das águas do lago salgado baixa mais de um metro por ano e, se continuar neste ritmo, esta maravilha da natureza, situada entre Israel, Jordânia e os Territórios Palestinos, pode desaparecer antes de 2050, alertam os especialistas.

O fenómeno começou nos anos 1960, quando os países vizinhos começaram a explorar as águas do rio Jordão, principal fonte de abastecimento do Mar Morto.

Jean-Michel Jarre, embaixador da boa vontade da Unesco, quer que "o mundo se consciencialize" do perigo. O músico francês, de 68 anos, escolheu para o seu concerto um dos lugares mais emblemáticos da região, perto da fortaleza de Massada, situada num planalto rochoso com vista para o Mar Morto e o deserto que o rodeia.

Segundo o historiador Flavio Josefo, no ano 73 d.C., 960 zelotes judeus, sitiados na fortaleza por legiões romanas, preferiram suicidar-se coletivamente do que render-se.

Massada é património mundial da Unesco desde 2002.

"Quero que o Mar Morto, como Massada, faça parte do património mundial da Unesco", disse Jean-Michel Jarre.

"Esta região pertence à humanidade (...) Isto diz respeito a todos no plano humano, por isso temos de fazer o possível para preservar este lugar", acrescentou o artista francês.

Até ao amanhecer

Jean-Michel Jarre, artista prolífico que lançou três álbuns num ano e meio, está acostumado com superproduções musicais, nas quais mistura música eletrónica, jogos de luz laser e pirotecnia.

Em 1990, conseguiu reunir 2,5 milhões de pessoas num concerto em Paris, e sete anos depois, cerca de 3,5 milhões de espectadores compareceram a um de seus espetáculos em Moscovo.

Desta vez, decidiu apostar num concerto "intimista" para proteger o meio ambiente. Há apenas 10 mil lugares disponíveis, que serão vendidos em todo o mundo.

"Para mim, o objetivo deste projeto é fazer com que o maior número possível de pessoas tome consciência da urgência de cuidar da Terra como um todo", declarou.

"Espero que este concerto contribua para organizar a resistência contra todos os Trumps do mundo", declarou.

Jarre preocupa-se com a falta de interesse do presidente norte-americano pelo meio ambiente, como ele demonstrou ao autorizar a construção do oleoduto Keystone XL, que o seu predecessor, Barack Obama, havia cancelado.

No grande evento, o músico alternará a sua presença no palco com apresentações de DJs e músicos franceses e israelitas, que vão atuar até ao amanhecer de sexta-feira.

Newsletter

Fique a par de todas as novidades do SAPO Mag. Semanalmente. No seu email.

Notificações

Os temas quentes do cinema, da TV e da música estão nas notificações do SAPO Mag.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.