Um filme protagonizado pela grande dama do cinema francês Catherine Deneuve abrirá esta quarta-feira o Festival de Cannes, onde os organizadores ultimam os detalhes para a grande festa do cinema.

Um cartaz de 11 por 24 metros com o rosto de outro ícone da Sétima Arte, a atriz sueca Ingrid Bergman, foi instalado na fachada do Palácio do Festival para a 68ª edição, que terminará no dia 24 de maio com o anúncio da Palma de Ouro.

O sorriso de Ingrid Bergman (1915-1982), que receberá um tributo especial pelo centenário de seu nascimento, dará as boas-vindas a dezenas de estrelas e cineastas.

Ao contrário dos anos anteriores, quando o festival começou com filmes repletos de glamour como «Grace de Mónaco» ou «O Grande Gatsby», os organizadores optaram desta vez por um longa-metragem de temática social, «La Tête Haute», no qual Catherine Deneuve, de 71 anos, interpreta uma juíza da vara de menores que tenta reabilitar um delinquente.

Pela primeira vez em mais de 30 anos, o filme de abertura - que não integra a mostra competitiva - é realizado por uma mulher, a francesa Emmanuelle Bercot.

«Estou muito honrada e muito intrigada, porque é uma escolha totalmente inesperada. Sinto-me bastante comovida de que um filme como este ganhe tanto destaque, de maneira tão prestigiada, na abertura do festival», confessou à AFP a cineasta de 47 anos.

Outros filmes de temática social estão entre os 19 que disputam a Palma de Ouro ou nas mostras paralelas de Cannes.

O cinema francês, com quatro filmes na mostra oficial, e o italiano, com três, são os destaques da edição 2015.

Apenas um filme latino-americano, «Chronic», do mexicano Michel Franco, aspira à Palma de Ouro.


Iates, estrelas e guerra às selfies

O balneário da Costa Azul, que recebe dezenas de iates luxuosos para o festival, também dá os retoques finais aos espaços provisórios erguidos na praia para as festas noturnas.

A superprodução «Mad Max: Estrada da Fúria» montou a sua gigantesca tenda diante da fachada do hotel Carlton para a estreia a 14 de maio.

Também já estão presentes os caçadores de autógrafos e outros fãs, que todos os anos acampam perto das barreiras de proteção, diante da passadeira vermelha.

A polícia reforçou o dispositivo de segurança após os atentados jihadistas de janeiro em Paris e para enfrentar a onda de assaltos registada todos os anos na cidade.

As estrelas de cada filme devem caminhar pela passadeira vermelha de 60 metros de comprimento por quatro de largura. Os organizadores recomendaram um limite às «selfies», que consideram de mau gosto.

Catherine Deneuve entrou na batalha anti-selfies e ironizou os «famosos» com milhões de seguidores nas redes sociais que «nunca fizeram nada».

«Uma estrela é alguém que se deve mostrar pouco e permanecer reservada», disse a atriz, imortalizada por Luis Buñuel em «Bela de Dia».

As escadas do Palácio do Festival devem receber nas próximas duas semanas estrelas como Cate Blanchett, Benicio del Toro, Matthew McConaughey, Michael Fassbender, Marion Cotillard, Colin Farrell, Michael Caine, Jane Fonda, Salma Hayek e Gerard Depardieu.

No total, a organização encomendou 83 rolos de tapete vermelho para os 26.000 metros quadrados das diversas instalações do festival, incluindo os 8.000 que cobrem os 24 degraus da entrada principal.

Trinta e seis salas de projeção, que vão de seis a 2.300 lugares de capacidade, programaram 1.500 sessões, incluindo a sala principal, totalmente reformada para a 68ª edição, que celebra os 120 anos da invenção do cinematógrafo pelos irmãos Lumière.

Outros dois irmãos famosos da Sétima Arte, os cineastas americanos Joel e Ethan Coen, presidem ao júri de nove membros responsável por definir o vencedor da cobiçada Palma de Ouro.

CANNES: A MONTRA DO GLAMOUR DAS ESTRELAS