"Fui abordado por uma produtora australiana e chinesa que gostou da história e me pediu para escrever um guião", contou à Lusa o escritor britânico, com dois livros já publicados em Portugal, "Meia-Noite em Pequim", da editora Bertrand (2013), e "Coreia do Norte - Estado de paranoia", da Desassossego (2019).

"A pandemia atrasou as coisas, mas antes disso já fizemos algum levantamento de lugares de filmagem", que incluem "exteriores em Portugal" e cenas em Xangai e em estúdios australianos, disse o escritor à Lusa.

O livro "Estranhos na Praia: Uma história de refugiados e resistência em tempo de guerra em Macau" (no original, "Strangers on the Praia: A Tale of Refugees and Resistance in Wartime Macao"), da editora Blacksmith Books, conta "a história pouco conhecida" de refugiados judeus em Xangai, na China, que conseguiram chegar à então colónia portuguesa, território neutro durante a Segunda Guerra Mundial.

Inspirado em casos reais, o relato, que mistura factos e ficção, surgiu depois de o escritor, residente em Xangai durante 20 anos, ter descoberto arquivos de duas centenas de judeus, "a maior parte jovens mulheres".

"Como Macau era uma colónia portuguesa nessa época, muitas pessoas acreditavam que se conseguissem lá chegar poderiam ir para Lisboa, e daí apanhar um avião ou barco para Inglaterra ou os Estados Unidos", contou.

Xangai, onde "era possível chegar sem passaporte", acolheu cerca de 25 mil judeus durante a Segunda Guerra Mundial, mas as condições para quem vivia no gueto da capital chinesa agravaram-se após um surto de tuberculose, em 1940.

Nesse ano e no seguinte, chegaram a Macau centenas de refugiados judeus, não só de Xangai, como das Filipinas e Hong Kong, depois da queda da então colónia britânica nas mãos dos japoneses.

"A maioria instalou-se na Aurora Portuguesa, uma pensão em Macau frequentada por homens de negócios e altos funcionários, que se converteu numa espécie de abrigo", contou o escritor.

A esperança que os levou a Macau acabaria no entanto por não se concretizar, e o território converteu-se num beco sem saída devido ao bloqueio naval.

Macau recebeu milhares de refugiados durante a Segunda Guerra Mundial, "pessoas com nacionalidade portuguesa a viver em Hong Kong e noutras ex-colónias, muitas dos quais nunca tinham posto um pé em Portugal, além de britânicos".

Com os japoneses a bloquearem o mar do Sul da China, floresceram "o contrabando e os negócios duvidosos", "uma das únicas formas de o Governo português conseguir comida e combustível", lembrou.

"As autoridades portuguesas em Macau tinham um equilíbrio difícil de manter, e precisavam de negociar com os japoneses e os alemães, por isso algumas refugiadas judias acabaram na estranha situação de serem secretárias para empresas como o Banco Nacional Ultramarino, a traduzir documentos e escrever cartas para clientes alemães", contou.

Foi também neste contexto que o ex-magnata do jogo Stanley Ho, ele próprio refugiado em Macau após a queda de Hong Kong, floresceu. "Ele era uma espécie de contrabandista autorizado, e fez muito dinheiro, que usou para comprar os primeiros casinos", apontou.

O livro explora este ambiente de "Casablanca do Oriente", através da perspetiva de uma refugiada judia, personagem compósita criada a partir de vários casos reais.

Algumas "obtiveram passaportes portugueses através de casamentos de conveniência", contou o escritor, enquanto outras "ajudaram agentes dos serviços secretos britânicos que fugiram de Hong Kong para Macau e queriam chegar à China continental, fingindo ser suas mulheres".

Desde que escreveu o livro, divulgado em versão mais reduzida e igualmente na origem de um podcast nomeado para os prémios do festival de rádio de Nova Iorque em 2020, muitos contactaram o escritor: "Várias pessoas me disseram o mesmo: viram fotografias da baía de Macau e pensavam que eram fotos do Mediterrâneo".

Essa é aliás uma das razões para a escolha de Portugal para as filmagens, explicou Paul French. "A passear em Cascais, pensei: 'Isto pode funcionar'. As igrejas são iguais, [tem] o estilo especificamente português dos faróis [e] o estilo modernista das estações. Macau, nos anos 1930, era como Cascais hoje [risos]".

Atualmente a viver em Londres, onde nasceu em 1966, Paul French estudou chinês na Universidade de Xangai, na China, e admite o fascínio por Macau, que visitou várias vezes.

No livro, French evoca as impressões do poeta anglo-americano W.H. Auden quando visitou o território, em 1938. A viagem deu origem ao soneto "Macau", em que Auden chama à então colónia portuguesa "erva daninha da Europa católica" e cidade de "indulgência".

"Sempre houve grandes romances sobre Lisboa na Segunda Guerra Mundial, que foi um centro de atração para refugiados, espiões e resistentes aos nazis, e Macau, a ‘Casablanca do Oriente’, era como uma versão asiática", apontou.

Newsletter

Fique a par de todas as novidades do SAPO Mag. Semanalmente. No seu email.

Notificações

Os temas quentes do cinema, da TV e da música estão nas notificações do SAPO Mag.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.