Em plena era do #MeToo, a Fox descobriu que "O Predador" tinha um ator condenado por crime sexual a poucos dias do filme ficar fechado e pronto para estrear nos cinemas, avançou o Los Angeles Times.

Steven Wilder Striegel (conhecido profissionalmente como Steve Wilder) é um amigo de longa data do realizador Shane Black que se deu como culpado em 2010 das acusações de ter tentado atrair uma jovem de 14 anos para uma relação sexual pela internet. Na altura dos contactos, tinha 38 anos.

O ator não tinha um grande papel no "blockbuster" da Fox, apenas uma cena de três páginas em que faz avanços românticos à personagem interpretada por Olivia Munn, que descobriu em agosto que o colega estava registado como criminoso sexual na polémica base de dados pública que existe nos EUA desde 1994.

Após a notícia do Times, Striegel tornou privada a sua página no Instagram.

Olivia Munn com o realizador Shane Black e Steven Wilder Striegel durante a rodagem de "O Predador".

A Fox decidiu rapidamente cortar a cena quando a atriz revelou a informação a 15 de agosto, manifestando preocupação pelo passado de Striger e o facto de Black não ter partilhado nada com os outros atores, a equipa e o estúdio. Pela informação colocada nas redes sociais pelo realizador, o filme foi dado como fechado no dia 21.

"O nosso estúdio não conhecia o passado do senhor Striegel quando foi contratado", disse um porta-voz da Fox ao Times, explicando que os estúdios não podem investigar os antecedentes dos atores por razões legais.

Em contactos por email, Striegel, que entrou em vários episódios da série "Melrose Place" na década de 90, descreveu ao jornal a jovem de 14 anos como uma "parente distante" com quem falou em vários encontros da família sobre as pressões por que estava a passar enquanto adolescente e que, numa tentativa de aumentar a sua auto-estima, tomou "a decisão muito errada de lhe dizer nos emails que ela era muito bonita e sexy, não uma falhada, etc."

Porém, o mandato que deu origem à sua detenção em março de 2009 alega que o contacto físico incluiu "beijar, tocar nos seios sobre a roupa, esfregar as suas pernas e acariciar o pescoço em várias ocasiões".

O ator rejeita isto ("a única coisa pela qual foi acusado foram as palavras num email"), mas passou seis meses na prisão e o primeiro papel que conseguiu a seguir foi em "Homem de Ferro 3", em 2013, também realizado por Shane Black, que lhe deu outro em "Bons Rapazes" (2016), com Russell Crowe e Ryan Gosling.

"Decidi pessoalmente ajudar um amigo. Posso perceber que outros possam discordar, pois a sua condenação foi por uma acusação muito sensível que não pode ser encarada com ligeireza", disse o realizador ao jornal, acrescentando que acredita há muito tempo que o amigo "foi apanhado numa má situação versus algo lascivo".

O realizador Shane Black ao centro, com Steven Wilder Striegel à direita.

Já Olivia Munn afirmou ao Times que achou "tanto surpreendente como perturbador que Shane Black, o nosso realizador, não tenha partilhado esta informação com o elenco, equipa ou o estúdio Fox antes, durante ou após a produção".

"No entanto, estou aliviada que a Fox tenha tomado a decisão apropriada de apagar a cena com Wilder antes da estreia do filme quando finalmente recebeu a informação", acrescentou.

"O Predador" estreia em Portugal a 13 de setembro.

TRAILER.

Newsletter

Fique a par de todas as novidades do SAPO Mag. Semanalmente. No seu email.

Notificações

Os temas quentes do cinema, da TV e da música estão nas notificações do SAPO Mag.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.