Com 11 nomeações, "Joker", de Todd Phillips, lidera a corrida aos Óscares, seguido por "Era Uma Vez em... Hollywood", de Quentin Tarantino, "O Irlandês", de Martin Scorsese, e "1917", de Sam Mendes, todos com dez. A lista para a 92ª edição dos Óscares também colocou a Netflix na liderança: é o estúdio com mais nomeações, 24 ao todo.

Veja a lista completa de vencedores
Veja a lista completa de vencedores
Ver artigo

VEJA AQUI A LISTA COMPLETA DE NOMEADOS

Portugal podia, pela primeira vez, ter tido um filme nomeado em 92 anos de cerimónias, mas "Tio Tomás: A Contabilidade dos Dias", falhou a nomeação para Melhor Curta-Metragem de Animação, apesar de ter chegado à “short-list” de 10 finalistas. A realizadora Regina Pessoa já tinha estado nesta posição com "História Trágica com Final Feliz” (2006).

Ainda assim, "Klaus", da espanhola SPA Studios, disponível na plataforma Netflix, foi nomeado nas longas-metragens de animação: na qualidade de supervisor de animação está o português Sérgio Martins e o seu irmão gémeo, Edgar Martins, foi o supervisor de argumento no mesmo filme.

As nomeações ficaram marcadas por várias surpresas, como a estreia de Scarlett Johansson nos Óscares logo com duas nomeações, para Melhor Atriz por "Marriage Story" e Atriz Secundária por "Jojo Rabbit": a primeira era esperada, a segunda menos.

Outra dupla nomeação surpreendente foi a de de “Honeyland”, da Macedónia do Norte, para Melhor Filme Internacional e Melhor Documentário de Longa-Metragem.

Ainda não foi desta que Portugal lá chegou. Filme de Regina Pessoa não consegue nomeação nos Óscares
Ainda não foi desta que Portugal lá chegou. Filme de Regina Pessoa não consegue nomeação nos Óscares
Ver artigo

Depois há as surpresas pelas ausências, como as de "Frozen II: O Reino do Gelo" para Filme de Animação, da canção de Beyoncé para "O Rei Leão", de "1917" e "Era Uma Vez em... Hollywood" da Montagem, e "Apollo 11" dos documentários. Ou da latina Jennifer Lopez e de Nicole Kidman como secundárias, por "Ousadas e Golpistas" e "Bombshell: O Escândalo", respetivamente. E embora não fosse um favorito, também pesa a completa exclusão das nomeações de "A Despedida".

Em tempos de Time´s Up, o debate à volta da "representatividade" também faz parte da temporada de prémios: além das ausências de Jennifer Lopez e "A Despedida" (nomeadamente da atriz Awkwafina), irá certamente gerar controvérsia que Cynthia Erivo ("Harriet", sem estreia prevista em Portugal) seja a única negra nas quatro categorias de interpretação e Antonio Banderas ("Dor e Glória") o único hispânico.

Issa Rae, que anunciou os nomeados juntamente com John Cho, também não deixou de, ironicamente dar os parabéns aos cinco "senhores" nomeados para Melhor Realização:  Scorsese, Tarantino, Mendes, Phillips e Bong Joon-ho ("Parasitas"), ficando excluída Greta Gerwig por "Mulherzinhas".

"Joker" chega-se à frente

JOKER EM DUPLICADO

Fenómeno de bilheteira que se tornou também social e cultural, o filme sobre um comediante de stand-up fracassado cuja doença mental é agravada pela indiferença ou mesmo hostilidade da sociedade que o rodeia, transformando-se no assassino psicopata conhecido como Joker, torna-se o grande favorito às estatuetas: também é o mais nomeado para os BAFTA, os prémios da Academia de Cinema Britânica, com o mesmo número de nomeações.

Um ano após as dez nomeações e três estatuetas para "Roma", a Netflix aumentou a sua presença na corrida a Melhor Filme: além do épico de Martin Scorsese, foi ainda nomeado "Marriage Story" (seis nomeações), um olhar profundo e humano sobre o fim de um casamento e a união de uma família, realizado por Noah Baumbach.

Os outros títulos nomeados para a principal estatueta foram "Le Mans '66: O Duelo" (quatro nomeações), "Jojo Rabbit" (seis), "Mulherzinhas" (seis) e "Parasitas" (seis).

Categorias de interpretação causam polémica

Apesar de a Academia ter aumentado a diversidade e o caráter internacional, chamando centenas de novos votantes, a imprensa especializada norte-americana já fala na segunda parte do #OscarSoWhite, pelo domínio de atores brancos nas quatro categorias de interpretação.

O Deadline chega mesmo a indicar Antonio Banderas como "a única pessoa de cor" ["the lone person of color"] (ainda que ele seja, na realidade, um branco hispânico) entre os dez nomeados nas categorias de interpretação masculinas, juntando-se a Cynthia Erivo por "Harriet" nas atrizes, mas acabou por retirar posteriormente a referência.

O espanhol conseguiu chegar às nomeações para Melhor Ator após vencer o mesmo prémio no Festival de Cannes, o que estava longe de ser uma certeza, ao contrário das presenças de Joaquin Phoenix ("Joker"), Adam Driver ("Marriage Story") e Leonardo DiCaprio ("Era Uma Vez..."), a que se juntou o veterano Jonathan Pryce: está nomeado pela primeira vez por "Dois Papas", quando festeja os 50 anos de carreira e 72 de idade (é o sétimo mais velho nomeado nesta categoria na história dos Óscares).

De fora ficaram Taron Egerton ("Rocketman"), Christian Bale ("Le Mans '66"), Robert De Niro ("O Irlandês"), Eddie Murphy ("Chamem-me Dolemite") e Adam Sandler ("Diamante Bruto").

Nas atrizes, Cynthia Erivo juntou-se às esperadas Saoirse Ronan ("Mulherzinhas"), Renée Zellweger ("Judy"), Charlize Theron ("Bombshell") e Scarlett Johansson ("Marriage Story"), não chegando a entrar na categoria Lupita Nyong'o ("Nós") e Awkwafina ("A Despedida").

Nos atores secundários, ficaram confirmados Brad Pitt ("Era Uma Vez..."), Al Pacino e Joe Pesci ("O Irlandês"), Tom Hanks ("Um Amigo Extraordinário") e Anthony Hopkins ("Dois Papas"), que eram apontados como os favoritos, caindo por terra as esperanças depositadas em Jamie Foxx ("Tudo Pela Justiça"), Willem Dafoe ("O Farol") ou Song Kang-Ho ("Parasitas").

Esta é uma categoria peculiar: está dominada por atores que nos habituámos a ver como protagonistas (mesmo Pesci) e andavam ausentes da corrida às estatuetas há muitos anos: Pesci desde 1990, Pacino desde 1992, Hopkins desde 1997 e Hanks desde 2000.

Laura Dern ("Marriage Story") e Margot Robbie ("Bombshell") eram apostas seguras nas secundárias, assim como Florence Pugh ("Mulherzinhas"), mas as ausências de Jennifer Lopez ("Ousadas e Golpistas") e Nicole Kidman ("Bombshell") contribuíram para Scarlett Johansson arrecadar a segunda nomeação ("Jojo Rabbit") e a presença de Kathy Bates ("O Caso de Richard Jewell").

O estúdio mais nomeado é... a Netflix

Cinema Ideal. “A decisão da Netflix de não autorizar a estreia de 'O Irlandês' em Portugal é uma absoluta falta de respeito

Tal como tem acontecido nas séries, a Netflix emergiu do anúncio desta segunda-feira como o estúdio com mais nomeações: 24, mais nove do que no ano passado.

Além das dez nomeações por "O Irlandês" e as seis de "Marriage Story", o serviço de streaming garantiu três para "Dois Papas" (Melhor Ator, Melhor Secundário e Melhor Argumento Adaptado), duas para as Longas-Metragens de Animação "Klaus" e "J'ai Perdu Mon Corps" (comprada em Cannes já feita).

Obteve ainda mais duas nomeações para os Documentários de Longa-Metragem de que garante a distribuição, "American Factory" (produzido pelo casal Barack e Michelle Obama) e o brasileiro "Democracia em Vertigem", de Petra Costa, além do Documentário de Curta-Metragem "Life Overtakes Me".

Seguem-se as 23 da Disney (dez do estúdio, seis cada da 20th Century Fox e Fox Searchlight, e uma para "The Cave", via National Geographic), 20 nomeações da Sony (metade delas com o filme de Tarantino e seis com "Mulherzinhas"), 16 para a Universal e Focus Features (principalmente para "1917") e 12 da WarnerMedia (11 através de "Joker").

Melhor Filme Internacional: acabou o enguiço da Coreia do Sul

Confirmou-se a admiração de Hollywood pelo vencedor da Palma de Ouro do Festival de Cannes "Parasitas", com que o realizador Bong Joon-ho acompanha uma família coreana no desemprego que começa a ter um interesse peculiar por uma outra, esta com um estilo de vida cheio de glamour – até que todos se envolvem num acontecimento absolutamente inesperado.

Além de Melhor Filme, Realização, Argumento Original, Design de Produção e Montagem, está nomeado para a rebatizada categoria de Melhor Filme Internacional: incrivelmente, à 31ª candidatura, é a estreia do cinema da Coreia do Sul.

É o grande favorito na categoria em que estão os esperados "Dor e Glória", de Pedro Almodóvar (Espanha), "Os Miseráveis", de Ladj Ly (França, que arrecada a 38ª nomeação, um recorde) e "Corpus Christi - A Redenção", de Jan Komasa (Polónia).

A grande surpresa é “Honeyland”, da Macedónia do Norte, que também acumula a nomeação com Melhor Documentário de Longa-Metragem: realizado por Tamara Kotevska e Ljubomir Stefanov, o filme, estreado e premiado no Festival de Sundance, regista a vida e o ofício da apicultora Hatidze Muratova na aldeia remota de Bekirlija e a sua relação com a sua mãe acamada de 85 anos.

Surpresa nos filmes de animação

TOY STORY 4

Na categoria de animação de longa-metragem, a grande surpresa foi a ausência da Disney com "Frozen II: O Reino do Gelo", embora o estúdio continue a marcar presença por via da Pixar, com “Toy Story 4”.

A DreamWorks conseguiu colocar na corrida o terceiro e último filme da saga “Como Treinares o teu Dragão” e, após conquistar o Globo de Ouro, “Mr. Link” conseguiu nova nomeação para o estudio Laika.

Presença portuguesa nos Óscares com nomeação de "Klaus" nos filmes de animação
Presença portuguesa nos Óscares com nomeação de "Klaus" nos filmes de animação
Ver artigo

O francês “J’ai Perdu mon Corps”, que tinha estreado na Semana da Crítica do Festival de Cannes e está atualmente disponível na Netflix, conseguiu furar a hegemonia anglo-saxónica e garantir também a nomeação.

Se Portugal não conseguiu estar presente nas curtas-metragens, está-o de alguma forma nesta categoria de longas animadas com “Klaus”, a longa-metragem da Netflix produzida em Espanha e que conta com dois talentos lusos entre a principal equipa criativa, os gémeos Sérgio e Edgar Martins, respetivamente nos postos de supervisor de animação e supervisor de argumento.

Os nomeados para os prémios norte-americanos de cinema foram anunciados pouco depois das 13h00 (hora de Lisboa), numa transmissão global em direto da sede da Academia de Artes e Ciências Cinematográficas em Los Angeles, conduzida pelos atores John Cho e Issa Rae.

REVEJA O ANÚNCIO.

Após estas nomeações, os 8469 votantes da Academia podem votar entre 30 de janeiro e 4 de fevereiro.

A cerimónia terá lugar a 9 de fevereiro em Los Angeles, sem um apresentador anfitrião (repete-se o que aconteceu em 2019), e será transmitida em Portugal pelos canais FOX e FOX Movies: à semelhança do ano passado, no primeiro haverá tradução e comentários em português e no segundo será emitida a versão original.

Newsletter

Fique a par de todas as novidades do SAPO Mag. Semanalmente. No seu email.

Notificações

Os temas quentes do cinema, da TV e da música estão nas notificações do SAPO Mag.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.