Para despachar desde já o elefante na sala, diz-se que a virtude está no meio e no que diz respeito à saga "Star Wars", agora que os seus nove episódios são cartas em cima da mesa, são os episódios do meio (“IV: Uma Nova Esperança”, “V: O Império Contra-Ataca” e “VI: O Regresso de Jedi”, entre 1977 e 1983) que melhor materializam a (parte da) história idealizada por George Lucas.

Os tempos eram outros, é certo, mas talvez a explicação para tal resida no modelo de produção assumido pela Lucasfilm e por uma posição bastante mais flexível por parte do próprio George Lucas, traduzindo-se isto numa inteligente e equilibrada distribuição de tarefas (dos argumentos à produção, passando pela própria realização) por uma mão cheia de talentos à altura de concretizar a sua visão.

LEIA OUTRA CRÍTICA AO FILME: um tributo divertido ao legado, mas sem arrojo

Ou seja, o oposto da atitude déspota do grande criador que chamou a si o máximo de responsabilidade possível para dar continuação — aliás, início — à sua épica saga. Lucas assumiu sozinho as funções de argumentistas, produtor e realizador dos Episódios I, II e III (1999 a 2005). E, verdade seja dita, ele não prima pelas suas qualidades nem como argumentista, nem como realizador. É um criativo — e podemos dar-lhe algum crédito como visionário —, um empreendedor e um produtor.

As sagas “Star Wars” e “Indiana Jones” comprovam-no: as ideias e as histórias são suas (e são magníficas), mas quando transpostas para o grande ecrã, precisam de um argumentista e de um realizador. No entanto, era a sua criação e quando a quis levar mais longe, fê-lo com uma mão cheia de boas ideias, fê-lo sozinho e fê-lo enfadonho.

E por fim, entra a Disney e compra a Lucasfilm por uma batelada de dinheiro em 2012. Surge o medo que transforme a sua nova galinha de ovos de ouro num pretexto e numa máquina industrial de vender brinquedos, mas, sejamos sinceros, foi o George Lucas que inventou o merchadising. Sejamos coerentes!

A Disney, na realidade, fez em poucos anos, mais e melhor pelo universo “Star Wars” do que o seu criador tinha feito desde 1983. É certo que “Han Solo” (2018), da forma como foi executado, mais valia não existir, mas “Rogue One” (2016) permanece ainda hoje como um dos melhores títulos deste universo cinematográfico.

Quanto à trilogia “VII: O Despertar da Força”, “VIII: Os Últimos Jedi” e agora “IX: A Ascenção de Skywalker”, uma coisa é certa: não é enfadonha.

Peca, no seu primeiro episódio (2015), por um excesso de zelo na tentativa de não defraudar os fãs e as expectativas. O resultado é uma colagem demasiado próxima ao Episódio IV. O realizador J.J. Abrams e, numa jogada inteligente, o argumentista Lawrence Kasdan (repescado dos tempos da trilogia original), talvez tenham querido abrir algumas das novas portas que criaram para dar continuação à história, mas ficaram-se pelas intenções.

No "Episódio VIII” (2017), o realizador Rian Johnson eleva o nível de risco e faz um filme que, de certa forma, se descola da sua pesada herança e se afirma com mais personalidade. O problema, salvo seja — já lá vamos! — foi J.J. Abrams ter regressado à cadeira de realizador para o capítulo final (e consta, inclusive, que se terá arrependido de ter saído dela).

Abrams quis terminar o que começou. Com mais confiança e com mais impacto. E fê-lo: “Star Wars: Episódio IX - A Ascensão de Skywalker” é, dos seis filmes produzidos após a trilogia original, o melhor.

A pedra no sapato é que nem o “O Despertar da Força" está à sua altura, nem “Os Últimos Jedi" é a ponte perfeita. Ou seja, como trilogia, a engrenagem funciona, mas não sem que, de vez em quando, se sinta o ranger da narrativa e o patinar de certas personagens. Isto na perspectiva do todo. Mas os filmes são um pouco como as pessoas: às pessoas más é difícil perdoar-lhes o que quer que seja, mas às pessoas boas perdoamos — ou, no mínimo — toleramos as suas falhas.

Olhando-o balizado pelo seu próprio início e fim, “A Ascensão de Skywalker” fortalece a dinâmica Rey/Kylo, o principal arco narrativo da sua história, transforma Poe Dameron numa espécie de Indiana Jones galático em busca de um artefacto, maltrata a Millennium Falcon como mandam as regras, introduz novas personagens e recupera outras (embora não ofereça igual dedicação e compromisso a todas) e, claro, é uma espantosa experiência visual.

É justo dizer que “Star Wars: Episódio IX - A Ascensão de Skywalker” encerra a saga pela positiva, com respeito e reverência pela história que o antecede, com o arrebatamento esperado por ser o capítulo final e com estrondo suficiente para fazer dele um evento e uma festa.

"Star Wars: Episódio IX - A Ascensão de Skywalker": nos cinemas a 19 de dezembro.

Crítica: Marco Oliveira

Trailer:

Newsletter

Fique a par de todas as novidades do SAPO Mag. Semanalmente. No seu email.

Notificações

Os temas quentes do cinema, da TV e da música estão nas notificações do SAPO Mag.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.