Até às 23:00 entraram no recinto, de acordo com a organização, 68 mil pessoas. A grande maioria, verificou a Lusa, eram crianças e adolescentes, em grupo ou acompanhados pelos pais. A banda norte-americana, que toca uma mistura de rap com rock pesado, subiu ao palco já perto das 23:00, tendo, sem muito esforço, conquistado a plateia.

Aos primeiros acordes de temas como "Shadow of the Day", "Numb", "In the End" e "Burn It Down", os espectadores respondiam com gritos e de braços levantados, antecipando os coros. Em sinal de gratidão, um dos vocalistas, Mike Shinoda, chegou-se à frente do palco e lançou para a plateia uma série de CD com o primeiro single do novo disco, que, disse, "não está disponível em lado nenhum, nem mesmo na internet". "The Hunting Party" será editado a 16 de junho.

Com a bandeira portuguesa estendida em palco, a banda liderada por Chester Bennington e Mike Shinoda chegou, viu e venceu, mostrando assim porque marcou presença em três das seis edições do Rock in Rio Lisboa. Por terem entrado em palco cerca de 20 minutos depois da hora prevista (22:30), os Linkin Park acabaram por atuar pouco mais de uma hora. O público, com assobios insistentes pediu o regresso e a banda acedeu.

No encore, o DJ Steve Aoki, que tinha atuação prevista depois dos Linkin Park, entrou em cena para tocar com a banda o tema "A Light That Never Comes", do álbum "Recharge", que os norte-americanos editaram no ano passado.

Antes dos Linkin Park, atuaram os Queens of the Stone Age. "Vamos fazer uma noite para não esquecer", disse o vocalista, produtor e compositor, fundador da banda, Josh Homme, ainda a noite não tinha caído. O músico percebeu que o público que tinha em frente não era o mesmo daquele que há um ano o acolheu num concerto no festival Super Bock Super Rock e, por isso, esteve mais comunicativo em palco, a cativar a audiência.

"Amo-vos", "são uma plateia incrível", "se pudessem ver o que vejo daqui", disse o vocalista, acrescentando mais tarde: "não há isqueiros, acendam os vossos telemóveis, quero ver as luzes", disse antes de começar a tocar "like clockwork", tema que dá nome ao último álbum. Para muitos, o concerto foi um compasso de espera para a entrada em cena dos Linkin Park, para outros foi um reviver de canções como "My god is the sun", "Sick, sick, sick" e "No one knows".

O festival Rock in Rio Lisboa prossegue hoje, tendo os canadianos Arcade Fire como cabeças-de-cartaz.

@Lusa

Newsletter

Fique a par de todas as novidades do SAPO Mag. Semanalmente. No seu email.

Notificações

Os temas quentes do cinema, da TV e da música estão nas notificações do SAPO Mag.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.