Desenhada a partir de uma carreira diversificada e ilustre que produziu vários álbuns multi-platinados, uma lista impressionante de canções que chegaram ao número um dos tops, inúmeros elogios e recordes de vendas em todo o mundo na ordem dos 100 milhões de discos vendidos, esta colecção de «greatest hits» de Sting será reinterpretada com a marca de novas orquestrações assinadas por Jorge Calandrelli, David Hartley, Michel Legrand, Rob Mathes, Vince Mendoza, Steven Mercurio, Ross Bill, Robert Sadin e Tescari Nicola. Uma selecção, criada especialmente para esta digressão, que incluirá algumas canções dos Police, favoritas dos fãs, como «Roxanne», «Next To You», «Every Little Thing She Does Is Magic» e «Every Breath You Take», e canções notáveis da duradoura carreira a solo de Sting como «Englishman in New York», «Fragile», «Russians», «If I Ever Lose My Faith in You», «Fields of Gold» e «Desert Rose.»

Para acompanhar esta muito aguardada digressão mundial de Sting, a Deutsche Grammophon irá lançar um CD-irmão, «Symphonicities», este Verão. O novo álbum de estúdio serve como comemoração final da experiência de um concerto ao vivo, com o primeiro single, «Every Little Thing She Does Is Magic». Outros destaques incluem temas do reportório dos Police como «Roxanne» e «Next To You», assim como canções emblemáticas da carreira a solo de Sting , incluindo «Englishman in New York», «I Burn For You», «Why Should I Cry For You» e «She's Too Good For Me», entre muitas outras. «Symphonicities» tem produção de Rob Mathes e Sting, com misturas de Elliot Scheiner (Steely Dan, Fleetwood Mac) e Claudius Mittendorfer (Interpol, Franz Ferdinand).

O interesse de Sting em colaborar com uma orquestra começou em 2008, na sequência de um convite para tocar com a lendária Orquestra Sinfónica de Chicago. Depois de ter seleccionado várias canções do seu extenso catálogo, Sting juntou-se à orquestra para um concerto que deixou nele uma marca indelével. Ansioso por explorar outras possibilidades de colaboração de carácter sinfónico, Sting ficou bastante feliz quando a Orquestra de Filadélfia lhe pediu para se lhe juntar na comemoração do 153º aniversário da sua Academia de Música.

«Actuar com a Orquestra Sinfónica de Chicago e com a Orquestra de Filadélfia foram realmente marcos importantes na minha carreira. Estou muito feliz com esta nova oportunidade de fazer uma digressão com a Royal Philharmonic Concert Orchestra, usando uma paleta de cores musical totalmente nova e reinventando as canções que foram os pilares dos meus espectáculos ao vivo durante mais de trinta anos», comentou Sting.

Já agora, vejam o vídeo de apresentação:

Newsletter

Fique a par de todas as novidades do SAPO Mag. Semanalmente. No seu email.

Notificações

Os temas quentes do cinema, da TV e da música estão nas notificações do SAPO Mag.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.