De acordo com a Fundação Calouste Gulbenkian, a exposição, patente ao público no Museu Soares dos Reis desde 30 de novembro, vai prolongar-se por mais duas semanas além da data prevista, 18 de março.

"José de Almada Negreiros: desenho em movimento" é o título desta mostra, patente no museu Soares dos Reis, em colaboração com a Fundação Gulbenkian, em Lisboa.

Nesta mostra são apresentadas várias obras que estiveram na exposição "José de Almada Negreiros. Uma maneira de ser moderno" realizada no ano passado na Fundação Gulbenkian, e que recebeu 135 mil visitantes em quatro meses.

Na exposição do Porto estão patentes alguns trabalhos inéditos descobertos já depois do encerramento da exposição em Lisboa, nomeadamente um conjunto de vidros originais pintados à mão pelo artista, para lanterna mágica.

Com curadoria de Mariana Pinto dos Santos, a mostra reúne nove dezenas de trabalhos que dão conta da importância da linguagem cinematográfica na obra plástica deste artista, considerado uma figura ímpar do modernismo na História da arte portuguesa.

A conjugação entre cinema e desenho surge em obras como a lanterna mágica "La Tragedia de Doña Ajada" (1929), e no filme desenhado "O Naufrágio da Ínsua" (1934), trabalhos especificamente concebidos para apresentações públicas em ecrã de cinema, real ou imaginado, e que estão incluídos nesta mostra.

A hibridez entre desenho e cinema está expressa também em alguns dos seus textos literários, poéticos e ensaísticos, onde se notam intersecções plásticas e cinematográficas, que serão expostos.

As curadoras colocaram em relevo as suas pesquisas matemáticas e geométricas em pintura, as obras em espaço público na cidade de Lisboa, o caráter de narrativa gráfica que se encontra em vários dos seus trabalhos, o diálogo com o cinema, e a importância do autorretrato na sua obra, entre outros aspetos do seu trabalho.

A mostra na Gulbenkian reuniu perto de quatro centenas de obras, muitas delas inéditas, e aconteceu cerca de um quarto de século depois da última retrospetiva dedicada ao artista do modernismo português.

Almada Negreiros (1893-1970) deixou uma vasta obra de pintura, desenho, teatro, dança, romance, contos, conferências, ensaios, livros manuscritos ilustrados, poesia, narrativa gráfica, pintura mural e artes gráficas, cuja produção se estendeu ao longo de mais de meio século.

Newsletter

Fique a par de todas as novidades do SAPO Mag. Semanalmente. No seu email.

Notificações

Os temas quentes do cinema, da TV e da música estão nas notificações do SAPO Mag.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.