O convite para expor no Jardim das Tulherias, surgiu por parte do museu do Louvre e Pedro Cabrita Reis concebeu uma obra original, em cortiça portuguesa, que reinterpreta uma peça marcante da antiguidade clássica, "As Três Graças" ("Les Trois Grâces"), já presentes na colecção do Louvre em várias versões de vários autores.

A versão de Cabrita Reis de “As Três Graças" compõe-se de três elementos autónomos, todos em cortiça, tendo cada um cerca de 4,50 m de altura e aproximadamente 500 kg de peso, apoiados sobre uma base em ferro com cerca de 400 kg. O processo criativo teve início há meses, foi agora concluído e os trabalhos decorreram no Porto, nas instalações da Corticeira Amorim.

Veja a entrevista com Pedro Cabrita Reis:

Com inauguração prevista para 13 de Fevereiro a obra ficará em exposição até meados de Junho. O Presidente da República concedeu o seu Alto Patrocínio ao projeto, que é apoiado pela Fundação Calouste Gulbenkian, e tem como mecenas principais a Fundação Altice, a Engie e a Vinci, a que se associaram outras empresas como a Corticeira Amorim, a Fidelidade, a Barbot e a Artworks.

“As ‘Três Graças’ interessam-me porque atravessam a história da arte europeia desde a antiguidade clássica grega. Resistiram a todas as erosões, todas as diferenças de pensamento, processos históricos, mudanças de paradigmas políticos, ideológicos, revoluções”, afirmou o artista, em entrevista à agência Lusa.

Estas figuras “vêm lá do fundo, muito antes da democracia ateniense, passam pelo Império Romano, chegam à Idade Média, têm um momento de brilho ainda mais acentuado no Renascimento, voltam a reaparecer no século XVII e XVIII com Rubens, e chegam até à modernidade com Picasso, Matisse, e tudo isso”, detalhou.

Quando recebeu o repto, a ideia veio “de imediato”, conta, não só porque sempre se quis debruçar sobre estas figuras, mas também porque lhe interessou “a colocação num espaço público”.

Veja um timelapse da conclusão de uma das peças:

“Começo por fazer umas pequenas maquetes, a partir de figuras, daquelas que se vendem, ‘kitsch’, os santinhos e santinhas de toda a qualidade, e a partir dessas figuras trabalho. Corto-as, recolo-as, transformo, aglutino fragmentos de diversas figuras que ganham depois uma autonomia e presença abstrata e não localizável do ponto de vista de iconografia. Não se sabe se é um Santo António ou uma Nossa Senhora da Conceição. É apenas um conjunto de objetos em pedra ou em gesso aglutinados”, relata.

Essas maquetes foram depois enviadas para uma empresa “faz maquinação robótica” e “passam aquilo para um programa vetorial em computador que dá ordens a um braço robótico”.

Foi esse braço robótico que esculpiu os blocos criados pela Corticeira Amorim, juntando “cortiça com outras matérias que, não hipotecando a ecologia e sustentabilidade, dão-lhe uma resistência que permite estar, como estas vão estar”, ao ar livre.

Para Cabrita Reis, "As Três Graças", os três corpos femininos, que são representados ao longo da história, interessam não pelo corpo, mas pela sua persistência na história.

“Desde logo, é um corpo. Há uma imagem antropomórfica que não é preciso fazer um grande esforço para se entender, ou melhor ainda, para se subentender, um corpo por ali”.

Para saber que é feminino, “recorremos então ao tema”.

Pedro Cabrita Reis
Pedro Cabrita Reis junto da sua obra "As Três Graças".

“As ‘Três Graças’ são três figuras femininas entrelaçadas entre si, três irmãs que nunca se afastam. Em toda a História da Arte, as Três Graças foram sempre representadas naquilo que se convencionou ser a forma de representação – uma de costas e duas de frente, todas entrelaçadas, abraçadas entre si, mas nunca, jamais, em tempo algum, separadas”.

As esculturas que vão ocupar o Jardim das Tulherias “estão conceptualmente unidas, não estão fisicamente unidas”, explica.

“Não se prendem, não são reféns de uma interpretação literal e retórica de um modelo original”.

Essa distância “faz expandir o espaço, e, ao expandir o espaço, elas ganham outra movimentação, mesmo que não se mexam, mas tendo mais vazio entre elas, elas expandem a sua presença”, considera.

Com estas esculturas, quer também debater “a questão da monumentalidade”.

“Há quem defenda a ideia de que os monumentos são manifestações obsoletas. Monumentos a generais que se distinguiram em guerras de massacre colonial são obsoletos, claro que são. Agora o conceito de monumento, a sociedade sempre definiu que um monumento celebrava qualquer coisa. As classes dominantes sempre se celebraram a si próprias através de figuras. Provavelmente, o que é preciso rever é qual é a matéria da representação. Não é o monumento em si. (…) O que se transforma é o que se faz, a maneira como se olha, as preocupações”.

O artista defende que “os monumentos não estão obsoletos, o que está é o uso deles sob determinados prismas históricos”.

Apesar da sua resistência, a cortiça mantém uma “fragilidade interessante”, adianta.

“Porque nada é para sempre. E é bom conviver-se, viver-se e perceber-se e aceitar-se, justamente, a morte. Faz parte. É outra forma de vida. Esta destruição não é uma intenção de aniquilar nada, é apenas a natural passagem do tempo”.

As “Três Graças” de Cabrita Reis ficam e exibição no Jardim das Tulherias, a convite do vizinho Museu do Louvre, no âmbito da Temporada Cruzada França-Portugal 2022, de 13 de fevereiro até meados de junho.

As três graças

Depois disso, tem “uma intenção bastante consolidada de fazer uma outra versão disto, provavelmente com algumas alterações formais, mas em bronze”.

“Um dia, se calhar, encontro um jardim, ou no meio do campo, lá para a serra do Algarve, onde moro, e ponho-as lá no meio das alfarrobeiras”, remata.

Nascido em Lisboa, em 1956, Pedro Cabrita Reis fez formação académica em pintura, na Faculdade de Belas Artes da Universidade de Lisboa, em 1983, e da sua trajetória destacam-se exposições individuais como "Work Always in Progress", no Centro Galego de Arte Contemporânea (CGAC), Santiago de Compostela, também em Espanha (2019), "La Casa di Roma", um trabalho realizado especificamente para o museu Maxxi, em Roma, Itália (2015), e "A Linha do Vulcão", no Museu Tamayo Arte Contemporânea, no México (2009).

Foi o representante de Portugal na Bienal de Arte de Veneza, em 2003.

A sua obra está representada em coleções de instituições internacionais como a Tate Modern, em Londres, a Fundação Calouste Gulbenkian, em Lisboa, a Hamburger Kunsthalle, em Hamburgo, e a Fundação de Serralves, no Porto.

Tudo o que se passa à frente e atrás das câmaras!

Receba o melhor do SAPO Mag, semanalmente, no seu email.

Os temas quentes do cinema, da TV e da música!

Ative as notificações do SAPO Mag.

O que está a dar na TV, no cinema e na música!

Siga o SAPO nas redes sociais. Use a #SAPOmag nas suas publicações.