Filipe Duarte morreu na madrugada desta sexta-feira aos 46 anos, confirmou a Academia Portuguesa de cinema na sua página de Facebook. A notícia foi inicialmente avançada pela SIC, que indica que o ator foi vítima de um enfarte do miocárdio.

Na sua página de Facebook, a Academia de Cinema Portuguesa lamentou a notícia: "é com a maior tristeza e ainda em choque, que damos a notícia do inesperado falecimento do actor e membro da nossa Academia Filipe Duarte".

Filipe Duarte fazia parte do elenco de "Amor de Mãe", telenovela brasileira atualmente em exibição ao final da noite na SIC.

Presidente da República lamenta a morte de Filipe Duarte: "É triste perdê-lo, tão novo, a meio de uma carreira e de uma vida"
Presidente da República lamenta a morte de Filipe Duarte: "É triste perdê-lo, tão novo, a meio de uma carreira e de uma vida"
Ver artigo

Ao SAPO Mag, Daniel Oliveira, diretor geral de entretenimento do grupo Impresa, lamentou a morte do ator, que diz ser "uma perda irreparável".

"O Filipe era um dos melhores atores da sua geração, cuja marca do talento ficará para sempre entre nós. Em nome da SIC, onde o Filipe Duarte trabalhou em projectos como 'Fúria de Viver' ou 'Teorema de Pitágoras', deixamos as nossas mais sentidas condolências à família e amigos do Filipe", disse Daniel Oliveira em nota enviada ao SAPO Mag.

Uma carreira diversificada contra as convenções

Variações

Um dos maiores talentos da representação portuguesa, Filipe Duarte, "Pipo" para colegas e amigos, deixa um legado vasto no cinema, na televisão e no teatro.

Dois dos trabalhos mais recentes com grande impacto foram "Variações", do realizador João Maia, com Sérgio Praia no principal papel, onde interpretou Fernando Ataíde, grande amigo do cantor e um dos fundadores da discoteca Trumps, e "Mosquito", de João Nuno Pinto.

Em fase de pós-produção e ainda esperado este ano nas salas está "Nothing Ever Happened", de Gonçalo Galvão Teles, ainda com Beatriz Batarda, Alba Baptista, Ana Moreira, Rui Morisson e Miguel Amorim.

A Costa dos Murmúrios

Nascido em Angola em 1973, de onde saiu para Portugal ainda na infância, Filipe Duarte estudou teatro e foi em palco que se estreou, nos anos 1990, com a Companhia Teatral do Castelo e com o Teatro da Garagem. É mais tarde, de regresso a África já em adulto, que Filipe Duarte decide ter dupla nacionalidade, portuguesa e angolana.

No teatro, trabalhou com companhias como o Teatro Meridional e o Teatro do Vestido, mas foi sobretudo no cinema e em televisão que construiu a carreira.

Em televisão, Filipe Duarte fez séries, telenovelas e participou em programas para os mais jovens, deu a voz para publicidade, desenhos animados e videojogos.

No cinema, entrou em mais de trinta filmes, entre curtas-metragens, telefilmes e longas-metragens, entre comédia, drama e romance e trabalhou com, entre outros, Luís Filipe Rocha, António-Pedro Vasconcelos, Manuel Mozos, Margarida Cardoso, Tiago Guedes e Vítor Gonçalves.

No grande ecrã, após "Um Tiro no Escuro" (2004), "A Costa dos Murmúrios" (2004) e "4 Copas" (2006), foi aclamado por "A Outra Margem" (2007), onde interpretava um travesti em crise existencial que era confrontado por um adolescente com síndrome de Down.

A Outra Margem

Logo a seguir, em 2008, fez parte do elenco da minissérie "Equador", da TVI. O papel do protagonista Luís Bernardo, nomeado para o cargo de Governador Geral de São Tomé e Príncipe, ao lado de Maria João Bastos e Marco d’Almeida, fez disparar a sua notoriedade.

Equador

Invulgarmente, participou em poucas telenovelas: apenas "Fúria de Viver" (2002), para a SIC, e  "Belmonte" (2013-2014), para a TVI.

Em comunicado, o canal de Queluz de Baixo diz estar "sem palavras" e destaca "um ator excecional, que recusou sempre um pingo de maquilhagem na tela, como na vida. Porque ele nunca fingiu nada" e como, após o marcante projeto 'Equador', se tornou "nosso ator, nosso colega, nosso amigo, nosso conselheiro [...], sempre à distância de um telefonema, de uma conversa, aqui esteve com o seu saber e forma tão peculiar que tinha de olhar o mundo, a profissão e os amigos".

"Em 'Belmonte', o seu último trabalho com a TVI, Filipe Duarte tomou como verdadeira a responsabilidade de ser o tutor dos 5 irmãos. Adotou-os na tela e no coração. Porque ele era assim. Adotou-os a eles e deixou uma marca em todos nós com a sua entrega, a sua voz, o seu olhar único", destaca ainda o canal.

Belmonte

"Terapia" (2016), "João Semana" (2005), "A Ferreirinha" (2004), "Fúria de Viver" (2002), "Bastidores" (2001) e "Jardim da Celeste" (1999) foram outros dos trabalhos do ator em televisão.

Foi nomeado cinco vezes aos Globos de Ouro, sempre na categoria de cinema e como Melhor Ator, pelos filmes “A Costa dos Murmúrios” e “O Milagre Segundo Salomé” em 2005, “A Outra Margem” em 2008, “Entre os Dedos”, em 2009, “A Vida Invisível” em 2015 e “Cinzento e Negro” em 2017. Conquistou o troféu pelo penúltimo filme, realizado por Vitor Gonçalves.

Este ano está nomeado ao prémio Sophia de Melhor Ator Secundário pelo filme “Variações”, cuja cerimónia foi adiada por causa da COVID-19.

Já tinha sido nomeado para Melhor Ator em 2017, por “Cinzento e Negro”, e 2015, por “A Vida Invisível”.

Deixa uma filha de oito anos, fruto da relação com a atriz espanhola Nuria Mencía.

Colegas e amigos homenageiam o ator

Vários nomes ligados ao cinema e à televisão, amigos e colegas de Filipe Duarte, já reagiram à morte do ator nas redes sociais.

O ator Nuno Lopes foi dos primeiros a reagir. "Não tenho palavras. Que notícia horrível", disse, na sua página de Facebook.

O realizador e produtor Rodrigo Areias recorda Filipe Duarte como ator e ser humano, acrescentando que os dois estariam a trabalhar hoje num novo projeto em Guimarães se não fosse a COVID-19.

Manuel Luís Goucha lembrou Filipe Duarte como uma das pessoas que mais admira.

A apresentadora Fátima Lopes disse estar "sem palavras".

O argumentista Tiago R. Santos lembrou um episódio recente em que tinha visto as imagens do mais recente filme de Gonçalo Galvão Teles. "Uma das minhas reacções imediatas foi "bem, o Filipe Duarte é incrível."

O realizador Vicente Alves do Ó também reagiu à morte do "Pipo".

A atriz Paula Lobo Antunes publicou apenas uma fotografia do ator.

Ricardo Carriço mandou um abraço à família do ator e agradeceu o trabalho de Filipe Duarte.

"Meu mestre generoso, meu amigo, meu irmão, ainda bem que sempre te disse tudo o eras para mim. Ainda bem que não ficou nada por dizer. Ainda bem que estiveste e estarás sempre na minha vida", disse o ator Miguel Monteiro.

A atriz Sara Prata disse estar "em choque" e lembrou "os olhos brilhantes" do ator.

"Não conhecia o Filipe pessoalmente , seguia a carreira dele com muita admiração há muitos anos. Lamento tanto", disse Rita Ferro Rodrigues na sua página de Instagram. 

"Não consigo acreditar!!!! Filipe Duarte nosso querido Pipo. Nem sei o que dizer, sinto-me triste, profundamente triste, em choque!", disse a atriz Sílvia Rizzo.

A cantora Sónia Tavares lembrou um "querido amigo". "O melhor dos melhores", disse.

César Mourão lembrou "um dos melhores atores portugueses".

A apresentadora Iva Domingues disse estar incrédula.

Newsletter

Fique a par de todas as novidades do SAPO Mag. Semanalmente. No seu email.

Notificações

Os temas quentes do cinema, da TV e da música estão nas notificações do SAPO Mag.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.