"Não gosto de música", terá sublinhado uma vez Pablo Picasso. Mas uma exposição inédita em Paris revela que o génio espanhol era um apaixonado pelos ritmos populares, um meticuloso explorador de instrumentos e, acima de tudo, o criador de uma genuína música pictórica.

De um dos artistas mais celebrados e expostos de todos os tempos, ainda restam facetas por explorar. E a sua personalidade enigmática - o que Picasso pensava enquanto pintava? Quais opiniões tinha sobre o período que viveu? - atrai tanto quanto sua prolífica obra.

"Escreveram muito sobre Picasso, mas pouco foi expressado", explica à AFP Cécile Godefroy, curadora da exposição "As músicas de Picasso", que se estreia esta terça-feira na Filarmónica de Paris, com cinco meses de atraso devido à pandemia da COVID-19.

Há quatro anos, Godefroy decidiu estudar o que estava por trás da afirmação "não gosto de música", a única atribuída a Picasso sobre o assunto, por parte de uma jornalista francesa, Hélène Parmelin, nos anos 1960.

"Ele não era amante da música, a priori não sabia ler partituras e, ao contrário de artistas como Chagall, não precisava ouvir música para trabalhar", explica a historiadora da arte. "No entanto, a sua obra é repleta de instrumentos, músicos e danças", lembra.

Explorar este paradoxo é, portanto, o objetivo desta exposição, que exibe três esculturas de argila branca que representam músicos a tocar flauta e que Picasso (1881-1973) criou para o jardim de sua vila "La California", na Costa Azul francesa, onde viveu nos anos 1950.

Música alta e fraterna

Mas a exibição rapidamente volta às suas origens, com uma pintura a óleo do seu pai, José Ruiz Blasco, devoto do flamenco. Na sua infância, "Picasso passeava com ele pelos bairros ciganos de Málaga", a sua cidade natal, segundo a responsável pela exposição.

"Isso marcou-o" e determinou o seu gosto pela música popular, como as que anos depois ouviu de artistas viajantes de Barcelona, nas touradas, no circo e nos cabarés do animado bairro de Montmartre de Paris, onde se instalou em 1909.

"É essa a música de fundo de sala, barulhenta e partilhada" que Picasso reflete nas suas primeiras etapas, especialmente com a figura do arlequim, como aquele que toca um pequeno violão com o olhar triste no centro de um quadro a óleo sobre madeira.

As violas eram seu "instrumento favorito", outro símbolo da sua ligação à sua Espanha natal, segundo Godefroy.

A exposição reúne, pela primeira vez, cerca de vinte instrumentos de corda e sopro, principalmente aqueles que Picasso colecionava para estudá-los com uma metodologia típica de um cientista.

Nessa altura, já não há dúvidas de que Picasso, casado durante quase 20 anos com a bailarina Olga Khokholova e amigo de grandes músicos como Satie e Stravinsky, pode não ter sido um amante da música, mas era "fascinado por tudo que a música poderia incorporar".

Newsletter

Fique a par de todas as novidades do SAPO Mag. Semanalmente. No seu email.

Notificações

Os temas quentes do cinema, da TV e da música estão nas notificações do SAPO Mag.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.