O jornal Financial Times reportou que o gigante do streaming tinha apagado um episódio de "Patriot Act with Hasan Minhaj" passado na Arábia Saudita depois de ter recebido um pedido do reino, argumentando que o vídeo violava uma lei contra o crime cibernético.

No episódio, Minhaj - um americano de origem muçulmana com ascendência indiana - critica a Arábia Saudita após o assassinato do jornalista do Washington Post Jamal Khashoggi no consulado saudita em Istambul.

O humorista criticou especialmente o príncipe-herdeiro, Mohamed bin Salman, e também a campanha militar liderada pelos sauditas no Iémen.

O Senado americano aprovou em dezembro duas resoluções simbólicas culpando o príncipe pelo assassinato, depois de relatórios que apontaram nesta direção, e pedindo o fim da participação dos Estados Unidos no conflito iemenita.

Karen Attiah, editora de Khashoggi no Washington Post, tweetou esta terça-feira que a medida da Netflix era "bastante revoltante".

Nem a Netflix, nem o Ministério da Informação saudita responderam aos pedidos de informações mas o Financial Times noticiou que a Netflix tinha defendido a sua decisão, assegurando: "Apoiamos firmemente a liberdade artística em todo o mundo e só eliminámos este episódio na Arábia Saudita depois de termos recebido uma solicitação legal válida e para poder cumprir a lei local".

O episódio ainda pode ser visto noutras partes do mundo. Na Arábia Saudita, pode ser encontrado no YouTube.

Newsletter

Fique a par de todas as novidades do SAPO Mag. Semanalmente. No seu email.

Notificações

Os temas quentes do cinema, da TV e da música estão nas notificações do SAPO Mag.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.