Quem quiser prever os nomeados aos Óscares seguindo os vencedores dos Globos de Ouro vai ter este ano mais dificuldades que o habitual: «Argo» venceu o Globo de Ouro na categoria de Melhor Filme (Drama) e Melhor Realizador ( Ben Affleck) e «Os Miseráveis» triunfou como Melhor Filme (Comédia ou Musical). A diferença aqui em relação ao habitual é que nenhuma das duas fitas conseguira a nomeação ao Óscar de Melhor Realizador, o que tradicionalmente significa que a conquista da estatueta dourada para Melhor Filme para ambos é muitíssimo remota. O que quer dizer que os vencedores dos Óscares continuam completamente em aberto.

Menos imprevisível ficam as corridas no campo da interpretação, em que as vitórias se voltaram a repetir: Daniel Day-Lewis ganhou como Melhor Ator (Drama) por «Lincoln», Jessica Chastain como Melhor Atriz (Drama) por «00:30 A Hora Negra» e Jennifer Lawrence como Melhor Atriz (Comédia ou Musical) por «Guia para Um Final Feliz».

Hugh Jackman destoou do habitual ao conquistar o troféu para Melhor Ator de Comédia ou Musical por «Os Miseráveis» (um galardão que tem ido em outros prémios deste ano para Bradley Cooper por «Guia para Um Final Feliz»). Como a Academia costuma preferir o Drama à comédia, os vencedores dos Óscares parecem mais ou menos seguros. Também na categoria de secundários Anne Hathaway parece ter o caminho trilhado em «Os Miseráveis» mas Christoph Waltz foi uma surpresa ao vencer por «Django Libertado».

Ben Affleck, após ter ganho o Globo, disse à imprensa não sentir qualquer tristeza por não ter sido nomeado também ao Óscar de Melhor Realizador: «Nós fomos nomeados para sete Óscares, incluindo Melhor Filme». «Fiquei muito entusiasmado, e hoje estou nas nuvens, sou o tipo com mais sorte do mundo».

Bill Clinton fez uma aparição surpresa na cerimónia, para apresentar um «clip» do filme «Lincoln», sublinhando que o estadista interpretado por Day-Lewis é um exemplo de como um presidente se deve comportar.

Quentin Tarantino venceu o troféu de Melhor Argumento por «Django Libertado» e defendeu-se da crítica que lhe tem sido feita quanto ao uso frequente no filme da palavra «nigger», sublinhando que os críticos nunca disseram que ele a usava «menos vezes do que ela era usada no Sul dos EUA em 1858», o período em que a fita decorre, mas sim que ele devia «suavizá-la... e eu nunca faço isso com as minhas personagens». Christoph Waltz, que já tinha ganho o mesmo troféu pelo filme anterior do cineasta, «Sacanas sem Lei», voltou aqui a ganhar por «Django Libertado», e dirigiu-se ao realizador nos agredecimentos: «Quentin, sabes que a minha dívida para contigo não conhece palavras».

Sylvester Stallone e Arnold Schwarzenegger também surgiram na cerimónia, para apresentar o troféu de Melhor Filme Estrangeiro, conquistado, uma vez mais, por «Amor» de Michael Haneke.

Jodie Foster recebeu o Globo de Ouro de carreira com um dos discursos mais comentados da noite, focado na importância que tem para ela a privacidade e assumindo-se solteira, mas afirmando «espero que não estejam desapontados por não haver hoje aqui um grande discurso de saída do armário. Eu já fiz a minha saída do armário há cerca de mil anos atrás na Idade da Pedra, nesses dias mais remotos em que uma jovem frágil se abria com amigos de confiança, e família e colegas, e depois gradualmente, e orgulhosamente, a todos aqueles que ela conhecia. Mas agora, aparentemente, dizem-se que é esperado que todas as celebridades partilhem os detalhes da sua vida privada com uma conferência de imprensa, um anúncio de perfumes ou um «reality show» no «prime-time»», sublinhando que «lamento, mas eu não sou assim, nunca fui e nunca serei».

No campo da televisão, a série «Homeland - Segurança Nacional» voltou a sair vencedora, com os troféus de Melhor Série (Drama), Melhor Ator (Damien Lewis) e Melhor Atriz ( Claire Danes). Nas categorias de Minisérie ou Telefilme, o principal destaque foi para «Mudança de Jogo», o telefilme sobre Sarah Palin, que valeu também o troféu de Melhor Atriz a Julianne Moore.

Tina Fey e Amy Poehler foram as apresentadores de serviço, e usaram um humor muito menos cáustico que o do seu antecessor Ricky Gervais. Uma das melhores piadas da noite foi à conta do controverso «00:30 A Hora Negra», cuja veracidade muitos têm questionado por indicar que os norte-americanos torturaram prisioneiros de guerra na sequência do 11 de Setembro, e foi dirigida à realizadora Kathryn Bigelow, com Poehler a referir que «no que diz respeito a tortura, eu confio na mulher que esteve três anos casada com o James Cameron».

Veja aqui as melhores imagens dos Globos de Ouro

Eis a lista completa de vencedores dos Globos de Ouro:

Melhor Filme (Drama): «Argo»
Melhor Filme (Comédia ou Musical): «Os Miseráveis»
Melhor Ator (Drama): Daniel Day-Lewis por «Lincoln»
Melhor Atriz (Drama): Jessica Chastain por «00:30 A Hora Negra»
Melhor Ator (Comédia ou Musical): Hugh Jackman por «Os Miseráveis»
Melhor Atriz (Comédia ou Musical): Jennifer Lawrence por «Guia para Um Final Feliz»
Melhor Realizador: Ben Affleck por «Argo»
Melhor Ator Secundário: Christoph Waltz por «Django Libertado»
Melhor Atriz Secundária: Anne Hathaway por «Os Miseráveis»
Melhor Filme de Animação: «Brave - Indomável»
Melhor Filme Estrangeiro: «Amor»
Melhor Argumento: Quentin Tarantino por «Django Libertado»
Melhor Canção Original: Adele e Paul Epworth por «Skyfall» de «007 - Skyfall»
Melhor Banda Sonora Original: Mychael Dana por «A Vida de Pi»
Melhor Série de Televisão (Drama): «Homeland - Segurança Nacional»
Melhor Série de Televisão (Comédia ou Musical): «Girls»
Melhor Atriz em Série de Televisão (Drama): Claire Danes por «Homeland - Segurança Nacional»
Melhor Atriz em Série de Televisão (Comédia ou Musical): Lena Dunham por «Girls»
Melhor Ator em Série de Televisão (Drama): Damian Lewis por «Homeland - Segurança Nacional»
Melhor Ator em Série de Televisão (Comédia ou Musical): Don Cheadle por «House of Lies»
Melhor Ator Secundário em Série, Minisérie ou Telefilme: Ed Harris por «Mudança de Jogo»
Melhor Atriz Secundária em Série, Minisérie ou Telefilme: Maggie Smith por «Downton Abbey»
Melhor Ator em Minisérie ou Telefilme: Kevin Costner por «Hatfields & McCoys»
Melhor Atriz em Minisérie ou Telefilme: Julianne Moore por «Mudança de Jogo»
Melhor Minisérie ou Telefilme: «Mudança de Jogo»