Tippi Hedren alega que Alfred Hitchcock a perseguiu e chegou a fazer avanços sexuais quando trabalharam juntos nos anos 1960. A revelação surge nas suas novas memórias, "Tippi".

A atriz, mãe de Melanie Griffith e avô de Dakota Johnson,  agora com 86 anos, conta que o realizador a procurou depois de a descobrir num anúncio e assinou um contrato cinematográfico com a duração de cinco anos.

A partir daí, começou uma relação pouco saudável e embora Hedren já tenha dado anteriormente entrevistas onde descrevia a obsessão que Hitchcock por ela, foi agora muito mais longe do que descrevê-lo como um 'misoginista' com 'imensos problemas'.

Durante a rodagem de "Os Pássaros" (1963), que a tornou uma estrela, o realizador mostrou-se muito possessivo, avisando os outros atores para 'não lhe tocarem' e sempre que a via a falar com outro homem, fazia 'um olhar inexpressivo e fixo... mesmo se ele estivesse a conversar com um grupo de pessoas no outro lado do estúdio'.

Hedren acrescenta que Hitchcock  começou ainda a segui-la, dizendo ao seu motorista para passar pela sua casa e a chegou a tentar beijá-la na parte de trás da sua limusina. 'Foi um momento horrível'.

Os alegados abusos continuaram no segundo filme que fizeram juntos, "Marine" (1964), com o realizador a mandar instalar uma porta que fazia a ligação direta entre o seu escritório e os aposentos da atriz. Uma vez, entrou e tentou agarrá-la.

'Era sexual, era perverso', descreve no livro. 'Quanto mais lhe resistia, mais agressivo ele se tornava'.

Tippi Hedren acrescenta ainda que nunca falou a ninguém do que acontecia porque naquela época 'assédio sexual e perseguição eram termos que não existiam'.

Newsletter

Fique a par de todas as novidades do SAPO Mag. Semanalmente. No seu email.

Notificações

Os temas quentes do cinema, da TV e da música estão nas notificações do SAPO Mag.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.