A Associação Portuguesa de Defesa de Obras Audiovisuais (FEVIP) alertou hoje que mais de metade das salas de cinema pode encerrar até ao final do ano se não houver mecanismos de apoio face à pandemia da COVID-19.

"Estamos a atravessar um período negro, de que ninguém tem culpa e temos de encontrar soluções, todos, que nos permitam ultrapassar isto, sob pena de fechar", afirmou hoje (5) à agência Lusa o diretor-geral da FEVIP, António Paulo Santos.

Segundo resolução do Conselho de Ministros, que entrou em vigor na quarta-feira (4), os equipamentos culturais - incluindo as salas de cinema - situados nos 121 concelhos de Portugal continental sujeitos ao confinamento parcial passam a encerrar às 22:30.

A decisão abrange grande parte das 544 salas de cinema do circuito de exibição, já que estão concentradas sobretudo nos distritos de Lisboa (144), Porto (90), Setúbal (48) e Braga (40), segundo dados do Instituto do Cinema e Audiovisual (ICA).

"Se estas empresas encerrarem, e estamos a falar de mais de 50% das salas de cinema que podem encerrar até ao final do ano, deixamos de ter uma oferta eclética e cultural a nível do território nacional e que os portugueses gostam de ver", alertou o diretor-geral da FEVIP.

Para responder a este encerramento, as exibidoras suprimiram as últimas sessões diárias ou anteciparam horários para cerca das 20:00, o que, no entender da FEVIP, afeta "a única sessão que era lucrativa".

António Paulo Santos não põe em causa a decisão do Governo, embora a considere incongruente, porque tanto apela aos portugueses para ficarem em casa como garante que a atividade cultural continua a realizar-se, mas apenas até às 22:30.

"Esta incongruência tem reflexos e é perversa - não estou contra o Governo -, mas tem que se pensar no ecossistema todo. [...] Encerra-se e agora vamos encontrar medidas de apoio ao setor, para que quando reabrir continue a funcionar e para que permita subsistir no período de encerramento", disse.

António Paulo Santos recorda os "custos elevadíssimos" da exibição em Portugal e pede medidas como financiamentos com taxas de juro baixa para as empresas exibidoras e uma aplicação efetiva da flexibilização de rendas de aluguer de espaços, a maioria em centros comerciais.

"Não há apoios para o cinema, podem recorrer ao ‘lay-off’, há legislação para rendas flexíveis, mas não se consegue aplicar na prática, e estamos a falar de rendas de mais de cem mil euros por mês. Para ter uma ideia, se eu passar um filme numa sala, só em luz gasto à volta de três mil euros. Normalmente numa sala de cinema atualmente se fizer 500 ou 600 euros de bilheteira é muito", exemplificou.

De acordo com os dados mais recentes do Instituto do Cinema e Audiovisual (ICA), até setembro registaram-se quebras de 71%, face a 2019, tanto em número de espectadores como em receita de bilheteira nas salas de cinema, sobretudo desde março.

A recuperação de receitas e espectadores tem sido gradual, mas muito aquém das estatísticas do ano passado.

Segundo o ICA, até setembro as salas de cinema registaram 3,2 milhões de espectadores, quando no mesmo período de 2019 tinham sido 11,5 milhões.

Da associação FEVIP - que não representa a totalidade das exibidoras e distribuidoras portuguesas - são membros a Big Pictures 2 Films, a Cinemundo, a NOS Lusomundo Audiovisuais, a NOS Comunicações, a Pris Audiovisuais, a SportTV, a Lanterna de Pedra Filmes, a Associação de Empresas Produtoras e Distribuidoras de Videojogos e a Associação para a Gestão de Direitos de Autor, Produtores e Editores.

A agência Lusa também tentou, sem sucesso em tempo útil, obter esclarecimentos por parte da Associação Portuguesa de Empresas Portuguesa de Empresas Cinematográficas.

Newsletter

Fique a par de todas as novidades do SAPO Mag. Semanalmente. No seu email.

Notificações

Os temas quentes do cinema, da TV e da música estão nas notificações do SAPO Mag.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.