O realizador de cinema Kambuzia Partovi, argumentista do único filme iraniano que ganhou um Leão de Ouro em Veneza, morreu esta terça-feira (24), vítima de COVID_19, anunciou o órgão de cinema do país.

Partovi, um dos "cineastas mais influentes do cinema infantil iraniano", morreu no hospital Dey de Teerã aos 64 anos, disse a fundação Farabi numa mensagem de condolências disponibilizada no seu "site".

Nascido em Rasht, no norte do Irão, Partovi começou a sua carreira como cineasta na década de 1980 com "Mahi" [O Peixe, em tradução literal] e rapidamente se tornou uma figura importante do cinema infantil do seu país, mas não se limitou a este género.

Como argumentista, trabalhou com vários cineastas iranianos de renome como Abbas Kiarostami, Jafar Panahi e Majid Majidi.

Ganhou quatro prémios de melhor argumento no festival Fajr de Teerão, o maior número de prémios entre os seus pares.

Também escreveu o argumento do filme épico de 2015 "Muhammad", o mais caro da história do cinema iraniano.

Este filme biográfico, que retrata a infância do profeta muçulmano, foi criticado como um "ato hostil" e uma "distorção do islão" pelo maior clérico da Arábia Saudita, um rival regional do Irão.

Mas o grande momento ocorreu em 2000, quando escreveu "O Círculo", que abordava as dificuldades enfrentadas pelas mulheres iranianas.

Realizado por Jafar Panahi, foi o primeiro e até agora o único filme iraniano a ganhar o Leão de Ouro no festival de cinema de Veneza.

Newsletter

Fique a par de todas as novidades do SAPO Mag. Semanalmente. No seu email.

Notificações

Os temas quentes do cinema, da TV e da música estão nas notificações do SAPO Mag.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.