Na recta final da edição do documentário, filtradas as 240 horas de filmagens,
Miguel Mendes recebeu a notícia da morte do amigo
Saramago. O filme seguiu o seu caminho, sem desvios de percurso nem cedências.

«Este é um filme dos vivos para os vivos». A mensagem chegou num email de uma amiga de
Miguel Gonçalves Mendes, pouco depois da morte de José Saramago. Mergulhado na edição das 240 horas de «vida» de
José Saramago e Pilar del Rio que havia registado,
Miguel Mendes ouviu o conselho que foi de encontro ao que a própria equipa sentia. Não mudar nada no filme depois da morte do escritor.

O documentário abre amanhã a VII edição do DocLisboa, que se prolonga até dia 24.

O filme, com um orçamento de 300 mil euros, é co-produzido pela O2, produtora do realizador de
Fernando Meirelles, e pela El Deseo, dos
irmãos Almodóvar.

Para 18 de Novembro está marcada a estreia nos cinemas, a par do lançamento da banda sonora do filme e de um livro com entrevistas do realizador a
José Saramago e
Pilar del Rio.

Newsletter

Fique a par de todas as novidades do SAPO Mag. Semanalmente. No seu email.

Notificações

Os temas quentes do cinema, da TV e da música estão nas notificações do SAPO Mag.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.