Philomena Lee, de 80 anos, participou na última quarta-feira numa cerimónia na praça de São Pedro e, no final, foi apresentada ao Papa Francisco. Estava acompanhada de
Steve Coogan, o ator britânico e co-argumentista de
«Filomena». No filme, realizado por
Stephen Frears e nomeado a quatro Óscares, Philomena é interpretada pela atriz
Judi Dench.

«É uma honra ter encontrado o papa Francisco», afirmou Lee, que estava acompanhada da filha. «Como se vê claramente no filme, sempre tive uma profunda fé na igreja e na sua vontade de reparar os erros cometidos no passado», disse Philomena.

Em 1952, ainda adolescente, Philomena Lee engravidou após uma aventura amorosa. Considerada «indigna» pela família numa Irlanda muito católica e conservadora, Philomena foi mandada para o convento de Roscrea, onde deu à luz um menino, a quem deu o nome de Anthony.

Aos quatro anos, Anthony foi separado de Philomena e entregue a um casal norte-americano. A mãe ficou calada durante 50 anos, até que um dia decidiu procurar o filho com a ajuda de Martin Sixsmith - interpretado no filme por Steve Coogan - um jornalista da BBC que a acompanha até os Estados Unidos.

Atualmente Philomena Lee está à frente do «Philomena Project», que procura ajudar outras mães a encontrar os seus filhos e que luta para que o governo irlandês promulgue uma lei que permita a consulta dos registos de crianças adotadas.

«Espero e acredito que o papa Francisco se una à minha luta para ajudar os milhares de mães e de filhos a colocar um fim à sua dolorosa história», disse Lee. «Espero que o Papa veja o filme. Ele é boa pessoa, vai fazer-lhe bem, não?», ironizou Stephen Frears no Festival de Veneza, onde a película foi muito bem recebida.

Pouco depois, um porta-voz do Vaticano disse que «o papa não vê filmes».

Newsletter

Fique a par de todas as novidades do SAPO Mag. Semanalmente. No seu email.

Notificações

Os temas quentes do cinema, da TV e da música estão nas notificações do SAPO Mag.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.