A cerimónia dos Óscares de 2021 pode ser adiada por causa das paragens forçadas em Hollywood provocadas pela COVID-19, segundo várias fontes ouvidas pela revista americana Variety esta terça-feira (19).

A grande noite da indústria cinematográfica está marcada para 28 de fevereiro. A mais recente foi histórica ao consagrar "Parasitas", da Coreia do Sul, pela primeira vez um filme não falado em inglês.

Mas com os cinemas fechados, os sucessos de bilheteira adiados e as produções interrompidas, a Academia de Artes e Ciências Cinematográficas foi obrigada a fazer mudanças significativas nas regras.

Uma das várias fontes anónimas disse à Variety que é "provável" que a cerimónia seja adiada. Não houve, no entanto, nenhuma proposta formal ou discussão detalhada sobre a mudança ou possíveis novas datas, informou a reportagem.

A Academia não respondeu de imediato ao pedido de reação da agência AFP.

No mês passado, a Academia - considerada a principal autoridade da indústria cinematográfica em Hollywood - facilitou as regras de elegibilidade, permitindo que filmes não exibidos no grande ecrã por causa da pandemia este ano entre na corrida às estatuetas.

Óscares fazem mudança radical nas regras das nomeações por causa da COVID-19
Óscares fazem mudança radical nas regras das nomeações por causa da COVID-19
Ver artigo

Nessa altura, a organização também alertou que "ajustes adicionais às regras da Academia, requisitos de elegibilidade e programação poderiam ser necessários".

"Como anunciado anteriormente, a 93ª cerimónia dos Óscares está programada para ser transmitida no domingo, 28 de fevereiro de 2021, pela ABC. Quaisquer informações atualizadas sobre a programação serão divulgadas posteriormente", afirmava esse comunicado.

Atualmente, os filmes devem ser lançados até 31 de dezembro para serem elegíveis para os Óscares do ano a seguir, que geralmente acontece em fevereiro ou março.

Não ficou claro qual o impacto, se houver, de um atraso na cerimónia sobre as regras de elegibilidade.

Os Óscares encerram com chave de ouro a temporada de prémios dos filmes, que arranca com as escolhas dos melhores do ano de várias organizações de críticas a partir do fim de novembro e aumenta de intensidade com a cerimónia dos Globos de Ouro, no início de janeiro.

Outras organizações ainda não anunciaram atrasos nas suas cerimónias, embora muitas também tenham facilitado as regras de elegibilidade.

Tanto o Directors Guild of America (o sindicato dos realizadores) como o Producers Guild of America (sindicato dos produtores) seguiram o exemplo dos Óscares e anunciaram esta terça-feira que os títulos disponibilizados em streaming ou video-on-demand seriam autorizados a concorrer aos seus prémios este ano caso a sua estreia nos cinemas tivesse sido afetada pela pandemia.

A cerimónia dos Emmys, que distingue o melhor da programação televisiva em horário nobre nos Estados Unidos - ainda está agendada para setembro.

A do "Daytime Emmys" - referente à programação diurna - já foi substituída por um evento virtual.

Newsletter

Fique a par de todas as novidades do SAPO Mag. Semanalmente. No seu email.

Notificações

Os temas quentes do cinema, da TV e da música estão nas notificações do SAPO Mag.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.