John Boyega teve uma "conversa honesta e transparente" sobre a representatividade em "Star Wars" com Kathleen Kennedy, Presidente da Lucasfilm.

O ator britânico de 28 anos foi o rebelde Finn, que ficou popularmente conhecido por "stormtrooper negro" ao aparecer nas primeiras imagens do trailer de "Star Wars: O Despertar da Força" em novembro de 2014.

Numa entrevista à GQ divulgada no início de setembro, Boyega disse que a sua experiência na mais recente trilogia de filmes não tinha sido boa porque a sua personagem e outras foram colocadas "à margem" e "todas as nuances" tinham sido dadas aos colegas brancos Daisy Ridley e Adam Driver.

John Boyega assume que experiência "Star Wars" não foi boa
John Boyega assume que experiência "Star Wars" não foi boa
Ver artigo

"É tão difícil de manobrar. Você envolve-se em projetos e não vai necessariamente gostar de tudo. [Mas] o que diria à Disney é não dar destaque a personagens negros, promovê-los para serem muito mais importante na saga do que são e, de seguida, colocá-los à margem. Não é bom. Vou assumir isto às claras", explicou.

"Souberam o que fazer com todos, mas quando chegou à Kelly Marie Tran, quando chegou ao John Boyega, sabem que mais, que se lixe tudo", acrescentava.

As declarações tiveram muito impacto e ao mais alto nível.

"Recebi uma chamada da Kathleen Kennedy e ela simplesmente mostrou verbalmente o seu apoio e tivemos uma conversa realmente honesta e transparente que foi benéfica para ambos", contou John Boyega à BBC esta terça-feira (24).

"Acho que se pode entrar neste tipo de conversa e parecer como se estivesse apenas a tentar salvar a sua carreira, mas o que é ótimo agora é que é uma conversa a que qualquer pessoa tem acesso. Agora, as pessoas podem expressar-se sobre isso sabendo que qualquer personagem que gostamos, especialmente nestas sagas, como a Marvel ou 'Star Wars', gostamos por causa dos momentos que lhes são dados", acrescentou.

"Nós gostamos delas por causa destes momentos e são momentos heroicos que todos estes produtores decidem para estas personagens que precisamos ver nas nossas personagens que talvez sejam negras ou de outras culturas", concluiu.

Na entrevista à GQ, o ator assumiu o descontentamento não era apenas sobre si, mas o que aconteceu o mesmo a outros atores de cor, como Naomi Ackie, Kelly Marie Tran e até Oscar Isaac (“um irmão da Guatemala”).

"O que querem que vos diga? O que eles [os estúdios] querem que a gente diga é 'Gostei de fazer parte disto. Foi uma grande experiência...'. Não, não, não. Aceito esse acordo quando é uma grande experiência. Eles deram todas as nuances ao Adam Driver, à Daisy Ridley. Vamos ser honestos. A Daisy sabe isso. O Adam sabe isso. Toda a gente sabe. Não estou a expor nada", disse o ator ao tentar fazer o balanço da experiência na terceira trilogia.

Newsletter

Fique a par de todas as novidades do SAPO Mag. Semanalmente. No seu email.

Notificações

Os temas quentes do cinema, da TV e da música estão nas notificações do SAPO Mag.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.