A HISTÓRIA: Preso pelo homicídio da filha de um comandante, um pai com deficiência intelectual tem de provar a sua inocência e regressar para junto da sua filha.

"Milagre na Cela 7" está disponível na Netflix.


Crítica: Hugo Gomes

Após várias versões, “Milagre na Cela 7” encontrou, por fim, a sua viralidade e sobretudo, uma adesão positiva vinda de uma sensibilidade acentuada e machucada por parte do espectador nestes tempos de confinamento.

Talvez seja esta “nova normalidade” imposta que nos faça chorar por uma história (mais do que) improvável de um recluso sentenciado à morte que deseja reencontrar-se com a sua filha, tendo como manipulativo dispositivo o facto desse pai ser… como diríamos… “especial”.

O original, uma obra sul-coreana de 2013, foi um dos grandes êxitos no seu país, tornando a história apelativa num Oriente faminto em rivalizar com as fórmulas "hollywoodescas" dos dramalhões de fazer “chorar as pedras da calçada”, vulgarmente conhecidos por “tearjerkers”.

Seguiram-se as variações indiana e filipina até chegarmos à turca com o cunho da Netflix, que apesar de tentar entrar por contextos politizados quanto à dominação militarista do regime, aplica os truques do costume ao quadrado para nos (obrigar a) emocionar.

O que temos? A música altamente intrusiva e imperativa que tem como alvo o nosso sistema nervoso, os constantes "slow-motions" e "travellings" sem razão que congelam os momentos-chaves... e o que dizer dos diálogos rudimentares e tecidos de primazia sentimental proclamados como epifanias?

Digamos que é tudo mais trapalhão do que supostamente sensível e que ofende com a sua costura arcaica de contar uma história e tentativa de seduzir aproveitando-se das nossas fraquezas.

O que nos leva para as "qualidades" enquanto cinema: os desempenhos encontram-se algures entre o exagero e o passivamente zombificado (Nisa Sofiya Aksongur, a “prometida” filha de quem seria de esperar uma maior resposta dramática), e a realização, para além de submissa aos já referidos tiques e esquemas, é de um profundo anonimato em que nenhum rasgo de imaginação se destaca.

No fim dos 132 minutos, só podemos ter uma esperança: que "Milagre na Cela 7" seja um fenómeno de popularidade efémera global por causa da acessibilidade do streaming e, para bem de todos nós, destes estranhos tempos de quarentena...

Newsletter

Fique a par de todas as novidades do SAPO Mag. Semanalmente. No seu email.

Notificações

Os temas quentes do cinema, da TV e da música estão nas notificações do SAPO Mag.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.