A ligação de Paulo Lemos ao punk, que desde a adolescência esteve envolvido em várias bandas deste género musical, levaram-no a abordar o tema, analisando a evolução do punk em Portugal desde "1978 até 2005".

Segundo o agora estudante de doutoramento na Universidade de Coimbra, o punk começou com um número muito reduzido de bandas em Portugal, na década de 1970.

Em 1980, observou-se "o desenvolvimento de subgéneros" e, nos anos 1990, o punk acabou por registar o seu maior crescimento, quer de bandas, quer de público. "Hoje, o punk não é alvo de tanto interesse", sublinhou.

Depois dos anos 1990, "o movimento punk abrandou", devido à internet e à globalização, que expuseram "os jovens adolescentes a muitas mais tribos urbanas", explanou.

Outra razão é a evolução da própria "cena punk", com várias divisões de públicos e de bandas, motivadas também "por ramificações musicais" do género, acabando o punk por aparecer "repartido por diferentes subgéneros".

Para além dessa análise, Paulo Lemos constata, no seu livro, que alguns dos músicos que hoje tocam em bandas como Madredeus, Linda Martini ou PAUS, entre outras, "começaram a sua carreira e formação musical no punk. Embora depois se tenham afastado musicalmente, continuam com um espírito de intervenção".

"O punk tem esta componente do simplismo musical", em que a vontade de tocar torna "a técnica pouco relevante", salientou, referindo que este género acabou por ser a base de formação de muitos músicos portugueses.

O livro, editado pela Associação Cultural Burra de Milho, tem ainda como caso de estudo a banda de punk Mata-Ratos, conjunto formado "em 1982 e que sempre esteve ligado ao movimento".

A tese que deu origem ao livro teve como orientador Paulo Estudante, docente da UC, e ainda Miguel Newton, vocalista dos Mata-Ratos, como coorientador.

@Lusa

Newsletter

Fique a par de todas as novidades do SAPO Mag. Semanalmente. No seu email.

Notificações

Os temas quentes do cinema, da TV e da música estão nas notificações do SAPO Mag.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.