O festival, que nasceu no Brasil em 1985 pela mão do empresário Roberto Medina, decorreu pela primeira vez em Portugal em 2004, aliando a música e o entretenimento a uma vertende social - o lema era "Por um mundo melhor" -, envolvendo também a comunidade local.

Para as edições de 2016 e 2018, a organização compromete-se, segundo um protocolo com a autarquia, a fazer um investimento de requalificação do Parque da Bela Vista, onde decorre o festival, para que possa ser usufruido o ano inteiro em segurança, afirmou à Lusa a vice-presidente do Rock in Rio, Roberta Medina.

Do total de 2,878 milhões de euros até agora doados, 663.788 euros foram em 2004 para entidades como o Instituto de Apoio à Criança, a Ajuda de Mãe, a Liga de Amigos do Hospital Maria Pia e a Fundação O Século.

Contactada pela Lusa, fonte da Fundação O Século explicou que recebeu cerca de 85.000 euros, utilizados para "melhoramentos" na enfermaria, no Centro de Actividades de Tempos Livres e no lar de acolhimento de crianças em situação de risco – "Casa das Conchas" -, onde vivem 25 crianças.

Além do dinheiro, a organização do festival “ofereceu bilhetes às crianças e jovens que vivem nos dois Lares de Acolhimento da Fundação [a Casa das Conchas e a Casa do Mar], que acolhem, atualmente, 40 crianças”.

Em 2006, o valor doado (552.984 euros) foi dividido entre associações, como a Associação dos Cegos e Amblíopes de Portugal (ACAPO), a Federação Nacional de Cooperativas de Solidariedade Social (Fenacerci), a Cooperativa para a Educação e Reabilitação de Cidadãos Inadaptados de Cascais (Cercica) e para a plantação de 19.000 árvores na Tapada Militar de Mafra, como "compensação de emissões geradas pelo evento".

À ACAPO, disse fonte da instituição à Lusa, foram doados 51.043 euros, "destinados à criação de salas de estimulação sensorial para crianças e jovens com deficiência visual". Estas salas existem em sete delegações: Porto, Braga, Viana do Castelo, Castelo Branco, Leiria, Faro e Viseu.

Em 2008, o festival destinou 562.600 euros às causas sociais. Nesse âmbito, foram distribuídos 400 painéis fotovoltaicos por 20 escolas, uma por distrito e região autónoma.

A verba foi ainda utilizada no Projeto Carbono Zero – redução e compensação de emissões geradas pelo evento, em ações de consciencialização do público na 'Cidade do Rock' e no primeiro evento 100R em Portugal (reciclagem garantida).

Em 2010, o valor doado foi de 512.082 euros, destinados a cerca de 390 painéis fotovoltaicos, divididos por 18 escolas, e ao Projeto Carbono Zero, com a plantação de 24.000 árvores numa zona ardida na Pampilhosa da Serra, no distrito de Coimbra.

O Projeto Carbono Zero voltou a ser um dos beneficiários em 2012, com a plantação de 25.000 árvores. No total, nesse ano, a organização destinou 586.750 euros aos projetos sociais. Além das doações monetárias, foram doadas sobras alimentares ao Banco Alimentar, à Refood e ao projeto Desperdício Zero.

@Lusa

Newsletter

Fique a par de todas as novidades do SAPO Mag. Semanalmente. No seu email.

Notificações

Os temas quentes do cinema, da TV e da música estão nas notificações do SAPO Mag.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.