Chico Buarque estaria este sábado nas comemorações do 25 de Abril em Portugal e para receber o Prémio Camões 2019. Devido à pandemia da COVID-19, o evento marcado foi adiado, mas o músico brasileiro fez questão de gravar uma mensagem para os "amigos portugueses".

"Este ano eu pretendia estar na festa do 25 de Abril porque os organizadores do Prémio Camões me deram a honra de marcar a cerimónia para esta data. Infelizmente não estou aí, não haverá entrega de prémios nem descerei com vocês a Avenida [da Liberdade]", explicou o escritor e compositor no vídeo publicado pela editora Companhia das Letras Portugal.

"Vai aqui a minha saudação aos amigos portugueses pelo 25 de Abril", diz Chico Buarque no início do vídeo publicado nas redes sociais. "Não descerei a Avenida convosco mas esta tarde deixarei na janela cravos vermelhos e cantarei alto e bom som ‘Grândola Vila Morena", contou, pedindo aos portugueses que "guardem o pensamento para os seus irmãos brasileiros, que estão mais do que nunca necessitados de um cheirinho de alecrim".

Veja o vídeo:

A cerimónia de entrega do Prémio Camões ao cantor e compositor brasileiro Chico Buarque, prevista para dia 25 de Abril, em Lisboa, foi adiada devido à pandemia de COVID-19.  À Agência Lusa, uma fonte adiantou que “a entrega do Prémio Camões será remarcada para data a definir”.

No final do ano passado foi conhecida a data escolhida para a atribuição do prémio a Chico Buarque, 25 de Abril de 2020, o mesmo dia em que se assinala a Revolução dos Cravos. Esta era já apontada anteriormente como uma data provável, por ser da preferência do músico.

A entrega deste Prémio Camões tem sido atribulada, pois já antes disto, em outubro do ano passado, cinco meses depois de ser conhecido o vencedor, o atual Presidente brasileiro, Jair Bolsonaro, deixou claro que poderia não assinar o diploma de atribuição do prémio.

Na altura, Bolsonaro avisou, citado pelo jornal Folha de São Paulo, que não tinha essa assinatura entre as suas prioridades, atirando-a para o termo de um eventual segundo mandato, a 31 de dezembro de 2026: "Até 31 de dezembro de 2026, eu assino".

Em resposta, Chico Buarque publicou na sua conta no Instagram: "A não assinatura do Bolsonaro no diploma é para mim um segundo Prémio Camões".

Chico Buarque, que enfrentou a ditadura militar (1964-1985) e detém um percurso de mais de meio século nas letras e na música, é um apoiante do Partido dos Trabalhadores (PT), defensor do ex-Presidente brasileiro Luiz Inácio Lula da Silva e crítico do governo de Jair Bolsonaro.

O valor total do prémio Camões é de 100 mil euros, divididos entre Brasil e Portugal. A parte financeira foi resolvida em junho, e a assinatura do diploma é apenas uma formalidade, mas o documento poderá chegar às mãos do músico sem a assinatura do presidente do Brasil.

Chico Buarque foi anunciado vencedor do Prémio Camões 2019 no dia 21 de maio do ano passado, após reunião do júri, na Biblioteca Nacional do Brasil, no Rio de Janeiro.

Para o júri do Prémio Camões, a maior distinção literária de língua portuguesa, a escolha de Chico Buarque deve-se à sua "contribuição para a formação cultural de diferentes gerações", e o "caráter multifacetado" do seu trabalho, da poesia, ao teatro e ao romance, estabelecendo-se como "referência fundamental da cultura do mundo contemporâneo".

Newsletter

Fique a par de todas as novidades do SAPO Mag. Semanalmente. No seu email.

Notificações

Os temas quentes do cinema, da TV e da música estão nas notificações do SAPO Mag.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.