Na manhã desta segunda-feira, dia 1 de fevereiro, no programa "Alô, Portugal", da SIC,  arco Paulo anunciou que vai terminar a carreira dentro de dois anos, em 2023.  "Minhas amigas e meus amigos, Portugal, foram 55 anos de carreira. Não são 55 dias nem 55 horas. São 55 anos de carreira (...) Dentro de dois anos vou despedir-me dos palcos", revelou o cantor.

"2022 e 2023 serão os dias, os meses, os anos em que eu vou preparar-me para a despedida dos palcos, do mundo e de Portugal", explicou o cantor no programa das manhãs da estação de Paço de Arcos, acrescentando que se quer "preparar para parar".

No programa da SIC, Marco Paulo adiantou ainda que pretende fazer alguns concertos e não descarta a hipótese de editar novas canções. "Fazer alguns discos se tiver vontade de os fazer, fazer algum concerto em qualquer sala de Portugal", contou, lembrando que em breve será lançado um novo disco, de onde farão parte os temas "Adeus, Adeus", versão portuguesa de autoria de Carlos Paiva da canção da resistência anti-fascista italiana "Bella, Ciao", e "Jesus Salvador", de Roberto Carlos.

A 18 de setembro, Marco Paulo atua no Super Bock Arena - Pavilhão Rosa Mota, no Porto. Em outubro, o músico vai também atuar no Campo Pequeno, em Lisboa.

"Preparem-se porque eu ainda não sei como vou dizer: terminei", sublinhou, emocionado, o artista.

Uma carreira repleta de sucessos

Na biografia, o cantor contou que cantou pela primeira vez aos 11/12 anos, num casamento, tendo interpretado “La Campanera”, canção do repertório do cantor-menino espanhol Joselito, que aprendera de ouvido.

Marco Paulo estará a lutar contra cancro, avança jornal

Com o EP "Não Sei/Estive Enamorado/O Mal às Vezes é Um Bem/Vê", de 1966, o cantor alentejano nascido em Mourão, a 21 de janeiro de 1945, deu início a uma das discografias mais longas e comercialmente bem sucedidas da música nacional, contando mais de 70 discos editados e cerca de quatro milhões e meio de exemplares vendidos.

Em 1978, o cantor conquista os tops nacionais com "Canção Proibida"/"Ninguém Ninguém", vendendo mais de 85 mil cópias, tornando-se no primeiro disco de ouro do artista. Em 1979 conquista um novo disco de Ouro com o single "Mulher Sentimental" - em dois anos, Marco Paulo somou dois discos de ouro e três de prata.

Um ano depois, em 1980, o single "Eu Tenho Dois Amores",  torna-se no seu maior êxito ao vender mais de 195 mil discos (3 discos de Ouro e 1 de Prata). Em 1981, edita "Mais, Mais e Mais Amor", que deu ao músico disco um de prata e dois de ouro, com 130 mil discos vendidos.

Seguiram-se os álbuns "Romance" e  "Sedução". Em 1988 edita o disco  "Marco Paulo" e o single "Joana", que conquistou o galardão de Disco de Ouro em apenas uma semana.  "Sempre Que Brilha O Sol", também editado em 1988, foi também um dos dos grandes êxitos do cantor.

Distinguida através de mais de cem galardões de platina e ouro, o cantor editou ainda os sucessos "Maravilhoso Coração", "Joana", "Anita", "Morena Morenita", "Sempre Que Brilha O Sol", "Taras e Manias" ou "Eu Tenho Dois Amores" - esta última, apesar de ser um dos maiores sucessos de sempre da música popular portuguesa, estava longe de ser das preferidas do cantor, que revelou que só a interpretava na maioria dos concertos para não defraudar o público.

Em 2007, Marco Paulo decidiu dar uma pequena reviravolta na sua carreira, editando o primeiro disco apenas com temas originais e com produção de Ramon Galarza. No ano seguinte, reuniu os sucessos da sua carreira em "O Melhor de Mim", disco que liderou o top de vendas nacional.

Em 2015, editou o disco "Diário", alcançando dois discos de platina - os temas de maior destaque foram "O que é que fazes esta noite" e "Além da Cama".

"Adeus, Adeus", versão portuguesa de autoria de Carlos Paiva da canção da resistência anti-fascista italiana "Bella, Ciao", e "Jesus Salvador", de Roberto Carlos, são as mais recentes canções do artista.

Além dos discos, o percurso de Marco Paulo também ficou marcado por várias participações no Festival RTP da Canção, iniciadas em 1967, com "Sou Tão Feliz". Na fase inicial da carreira colaborou com Madalena Iglésias, antes de ser cantor profissional, ou Simone de Oliveira, com quem assinou uma versão de "Somethin' Stupid", de Frank Sinatra.

Entre outras versões que interpretou constam ainda temas do Eurofestival da Canção de 1970 ao lado de músicos do Quarteto 1111; de "I Just Called to Say I Love You", de Stevie Wonder ("Só Falei Para Dizer Que Te Amo") ou de várias canções de Roberto Carlos no álbum "Amor Sem Limite", de 2004. O disco "Marco Paulo", de 2007, destacou-se por ter sido o primeiro apenas com composições originais.

Na década de 1990, o cantor foi também apresentador do programa "Eu Tenho Dois Amores", na RTP, sucesso de audiências com mais de 90 edições, a partir de 1994, e dois anos depois conduziu "Música no Coração", no mesmo canal. Em 1996 enfrentou ainda uma batalha contra o cancro, tendo sido sujeito a uma operação ao cólon para remover um tumor.

Tudo o que se passa à frente e atrás das câmaras!

Receba o melhor do SAPO Mag, semanalmente, no seu email.

Os temas quentes do cinema, da TV e da música!

Ative as notificações do SAPO Mag.

O que está a dar na TV, no cinema e na música!

Siga o SAPO nas redes sociais. Use a #SAPOmag nas suas publicações.