Sexta-feira 13 não foi sinónimo de azar no NOS Alive, até pelo contrário - mais um dia esgotado e mais um dia de correria entre palcos para tentar ver os artistas do festival do Passeio Marítimo de Algés, em Oeiras.

O dia e a noite foram marcadas por regressos a Portugal - Queens of The Stone Age, Two Door Cinema Club, The National e Black Rebel Motorcycle Club, todos repetentes em palcos portugueses. Mas também houve espaço para estreias -  o britânico Rag ‘n’ Bone Man e dos islandeses Kaleo, a quem cabe a tarefa de abrir os concertos no Palco NOS, são dois exemplos.

VEJA NA GALERIA AS FOTOS DOS CONCERTOS:

Os "vilões" Queens of The Stone Age

As atenções centraram-se sobretudo nos Queens of The Stone Age. Perante 55 mil pessoas, a banda liderada por Josh Homme regressou a Portugal para apresentar ao vivo “Villlains”, álbum editado no verão do ano passado.

Com uma cenografia composta apenas por barras de luzes LED, que mudavam de cor em sintonia com a restante iluminação, o grupo norte-americano entrou em palco ao som de "Feet Don't Fail Me", seguindo depois para "The Way You Used to Do" e "A Song for the Deaf", deixando claro que o concerto não se iria centrar apenas nas novas canções, mas que seria uma revisão da matéria.

Veja um excerto do concerto:

"Feel Do not Fail Me" e "Little Sister" não foram esquecidas, reforçando o arsenal de riffs. O público agradeceu e delirou em cada momento da festa da banda de Josh Homme. "No One Knows" também carimbou um dos momentos altos da noite.

Os temas do novo disco também agradaram à multidão. Com a produção de Mark Ronson, as canções de “Villlains” fizeram o público tirar os pés do chão e dançar no ritmo certeiro.

Durante mais de uma hora, os Queens of The Stone Age balançaram como máquinas de rock'n'roll. Trouxeram caos, tensão, som alto e riffs vigorosos.

"Obrigado por nos emprestarem o vosso nome"

Um pouco antes dos Queens of The Stone Age subirem ao Palco NOS, os Portugal. The Man brilharam no Palco Sagres. A banda norte-americana liderada por John Gourley, que se estreia este ano com a sua primeira nomeação nos Grammys, apresentou no Passeio Marítimo de Algés o novo álbum.

As canções do disco foram o ingrediente principal do espetáculo - "Woodstock" é tão eclético que, lá pelo meio, há sempre um tema que agrada a qualquer um, seja ou não fã da banda. E o ponto alto do concerto chegou mesmo no fim e também saiu do novo registo - "Feet It Still" (o maior êxito da banda ao alcançar o quarto lugar na Billboard Hot 100) fez o público dançar, saltar e cantar com eco considerável.

Portugal. The Man
créditos: Foto: José Fernandes/ Organização NOS Alive

Mas a canção que levou o grupo até aos tops mundiais não foi a única a animar a festa. "Number One", "Easy Tiger" ou "Live in The Moment" foram abraçados pelas centenas de pessoas que se juntaram no segundo maior palco do NOS Alive.

Pelo meio do concerto, os Portugal. The Man deixaram algumas mensagens aos fãs portugueses nos ecrãs. "Obrigado por nos emprestarem o vosso nome, adoramo-vos!", "Somos Portugal. The Man só para garantir que estão a ver o concerto certo" e "Como é possível um país ter tanta gente bonita? Vocês são lindos" foram algumas das frases projetadas durante o espetáculo.

Em menos de uma hora, a banda do Alaska que 'roubou' o nome a Portugal, deu provas de que pode crescer ainda mais no universo dos vários estilos - no concerto, houve pitadas de música indie, pop, rock, rap e hip hop. Apesar de terem atuado no Palco Sagres, os Portugal. The Man deram um concerto que superou muitos dos espetáculos do Palco NOS - e a euforia do público não deixou margem para dúvidas. Voltem sempre.

Uma hora antes, às 21h20, os The National subiram ao Palco NOS para apresentarem o sétimo disco de originais, “Sleep Well Beast”. Na bagagem, a banda norte-americana trouxe ainda temas dos sete primeiros discos.

Sempre em sintonia com o público, os The National, uma das bandas que mais presenças marcam entre nós, agarraram todos  os novos temas e os sucessos, que foram entoados de cor e em coro. A energia de Matt Berninger também fez a multidão delirar.

Kaleo no Palco NOS
créditos: Foto: Organização NOS Alive

Antes, os Kaleo, às 17h00, tiveram a missão de abrir o Palco NOS. A banda islandesa apresentou o disco "A/B", que junta rock, folk e blues. Temas como “Way Down We Go”,  “All the Pretty Girls" e "No Good" conquistaram os primeiros festivaleiros que se foram juntando na frente do palco principal.

Pouco depois foi a vez dos Black Rebel Motorcycle Club subirem a palco. O trio de São Francisco trouxe na bagagem o seu o mais recente disco de originais, "Wrong Creatures", produzido por Nick Launay, conhecido por ter trabalhado com os Yeah Yeah Yeahs, Arcade Fire e Nick Cave & The Bad Seeds.

No concerto, Peter Hayes (vocal, guitarra, harmónica), Robert Levon Been (vocal, baixo, guitarra), e Leah Shapiro (bateria) também viajaram por temas mais antigos.

Antes das oito da noite foi a vez dos Blossoms - a banda britânica substituiu os The Kooks, que cancelaram o concerto no NOS Alive ("Luke [Pritchard] está sob ordens restritas para descansar a sua voz depois de uma bronquite que o tem afetado nas últimas semanas", esclareceu a banda).

O quinteto de Stockport, que marcou presença no ano passado no palco Heineken, apresentou o seu novo álbum, “Cool Like You”, editado em abril deste ano. Com um estilo mais eletrónico, com os sintetizadores a assumirem protagonismo, o grupo animou os espectadores.

Os Two Door Cinema Club fecharam o segundo dia do NOS Alive, no palco principal. Este sábado, terceiro e último dia do festival, os Pearl Jam são os grandes cabeças de cartaz.

Newsletter

Fique a par de todas as novidades do SAPO Mag. Semanalmente. No seu email.

Notificações

Os temas quentes do cinema, da TV e da música estão nas notificações do SAPO Mag.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.