Apesar do apoio público dos atores de "Guardiões da Galáxia", a Disney não tem neste momento a intenção de recontratar James Gunn, apurou a revista Variety junto de fontes do estúdio.

O realizador da saga foi despedido a 20 de julho, poucas horas após terem sido recuperadas piadas antigas polémicas nas redes sociais sobre temas como pedofilia e violação.

Apesar da carta aberta divulgada na segunda-feira onde todos os atores dos filmes apelam ao seu regresso, várias pessoas que conhecem bem a posição do estúdio disseram à Variety que a convicção dos altos poderes tanto na Disney como na Marvel é que as dezenas de piadas são inaceitáveis na era do #MeToo e não estão em consonância com a imagem de família.

Elenco de “Guardiões da Galáxia” quer James Gunn de volta: “Ficámos chocados com a sua demissão”
Elenco de “Guardiões da Galáxia” quer James Gunn de volta: “Ficámos chocados com a sua demissão”
Ver artigo

As mesmas fontes avançam que apesar de tem sido publicadas entre 2008 e 2011, o estúdio não estava informado e foi apanhado de surpresa quando começaram a ser recuperadas por adversários do realizador da extrema-direita.

O despedimento de James Gunn foi aprovado o chefe da Disney Alan Horn e a pessoa acima dele, o CEO Bob Iger, também esteve envolvido na decisão final. Segundo a Variety, esta posição dos mais altos poderes da Disney indica que a carta de pressão dificilmente terá apoio interno.

"Não estou a ver que a Disney o volte a contratar. Aquelas mensagem foram tão horríveis e a Disney tem padrões diferentes dos de outros estúdios", explicou uma das fontes à revista.

Disney despede realizador de "Guardiões da Galáxia" por piadas sobre violação e pedofilia
Disney despede realizador de "Guardiões da Galáxia" por piadas sobre violação e pedofilia
Ver artigo

Ainda assim, dentro do estúdio reconhece-se que as estrelas, nomeadamente Chris Pratt e Zoe Saldana, ficaram a um pequeno passo de ameaçar desistir da saga na carta, mas a convicção é que irão regressar independentemente das suas opiniões pessoais sobre a situação de James Gunn.

A Variety nota que "o aval público ao realizador destaca-se pelo seu apoio veemente", mas a maioria dos atores está sob contrato e enfrentariam consequências jurídicas se desistissem do terceiro filme.

A Disney também não está sob pressão para encontrar um novo realizador para o projeto porque não chegou a confirmar oficialmente uma data de estreia, embora fosse esperado para 2020 e o início da rodagem estivesse previsto para fevereiro do ano que vem.

Dentro do Universo Cinematográfico da Marvel, os realizadores preferidos estão envolvidos noutros projetos (Jon Favreau, Taika Waititi, os irmãos Russo), mas estas fontes dizem que o estúdio está pronto para esperar que fique disponível alguém de fora com grande prestígio e experiência.

Newsletter

Fique a par de todas as novidades do SAPO Mag. Semanalmente. No seu email.

Notificações

Os temas quentes do cinema, da TV e da música estão nas notificações do SAPO Mag.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.