Hoje é difícil de imaginar, mas no já distante ano de 1982 não havia grande expectativa em redor da estreia internacional de "E.T. - O Extra-Terrestre".

O único grande trunfo que o filme tinha a seu favor era o nome do realizador: Steven Spielberg era o “wonder kid” que em 1975 assinara o maior sucesso da história do cinema ("Tubarão", ultrapassado nesse posto dois anos depois por “A Guerra das Estrelas”), que em 1977 maravilhara o mundo com "Encontros Imediatos do Terceiro Grau", que em 1979 se desequilibrara com o então muito criticado “1941 – Ano Louco em Hollywood” e que em 1981 recuperara o prestígio e o cinema de aventuras com o notável "Os Salteadores da Arca Perdida".

Fora isso (que naturalmente não era pouco), não havia praticamente caras conhecidas no elenco, a sinopse parecia resumir-se a uma história para crianças, e, ao contrário do "blitzkrieg" promocional dos dias de hoje, pouco ou nada se tinha visto do filme antes da estreia, para lá do enigmático poster em que os dedos do garoto e do alienígena se tocam. Ninguém sabia como era o extraterrestre, ninguém sabia que haveria bicicletas a voar nem o impacto emocional que o filme teria em toda a gente.

O trailer que precedeu a estreia na altura é, aliás, bastante curioso: ao som da música de John Williams, evoca-se o currículo de Spielberg, apontam-se de forma enigmática as emoções que o filme promete e apresentam-se imagens pouco ou nada reveladoras do filme, com a figura do extraterrestre apenas elidida, em sombras e pouco mais.

Mesmo para quem já era fã do trabalho do realizador, a surpresa foi total, num carrossel de emoções que apanhou toda a gente desprevenida. Do medo e do mistério da sequência inicial, com uma primeira rejeição à estranha figura do extraterrestre, passou-se para a emoção da descoberta e da empatia com a família, seguindo-se em rapida sucessão as gargalhadas, a ternura, as lágrimas, a energia trepidante da perseguição, o maravilhamento do voo e as lágrimas mais uma vez, que ninguem conseguiu conter (na altura, até Clint Eastwood confessou ter chorado no final do filme).

A história da amizade entre um garoto e um extraterrestre que ficou isolado na Terra e que quer voltar para casa teve origem num projeto anterior de Spielberg, "Night Skies", que não chegou a ser concretizado. Era então uma história que fundia ficção científica e terror sobre um grupo de extraterrestres que aterroriza uma família (conceito que, com alterações, seria aproveitado mais tarde em "Poltergeist" e "Gremlins"), no qual Spielberg injetou elementos da sua própria infância, nomeadamente a memória de ser filho de pais divorciados e de ter um amigo alienígena imaginário.

VEJA A SEGUIR COMO ESTÃO OS ATORES DO FILME.

Com argumento de Melissa Mathison, o filme assumia a sua inspiração em "Peter Pan" (não só pela leitura do livro em família como principalmente no voo dos garotos e na ressurreição por força da crença) e deixava para leitura e debate a sua ressonância crítica, também por via da morte e ressurreição da personagem titular e até pela semelhança do poster com o fresco de Miguel Ângelo sobre a Criação de Adão na Capela Sistina.

Abrilhantado pela banda sonora de John Williams, os efeitos visuais de Carlo Rambaldi e as interpretações de Henry Thomas, Drew Barrymore e Dee Wallace, o filme foi um sucesso colossal a todos os níveis. A estreia mundial deu-se na sessão de encerramento do Festival de Cannes, com uma imensa ovação de pé, as críticas foram universalmente positivas e na chegada às salas de cinema destronou "A Guerra das Estrelas" e bateu todos os recordes de bilheteira da altura, com mais de 120 milhões de bilhetes vendidos só nos EUA (em termos de box-office, só seria ultrapassado dez anos depois por outro filme do próprio Spielberg, "Parque Jurássico").

O mundo foi invadido por uma loucura por tudo o que tivesse a ver com E.T. e o próprio merchandising com o protagonista tornou-se visível por todos os cantos, inclusivamente em Portugal, onde surgiu em porta-chaves, cadernos, cadernetas de cromos ou mesmo bonecos que acendiam o dedo ou o coração.

Muito se falou naquela época de uma sequela, em que Spielberg e Mathison chegaram a trabalhar, mas ambos rapidamente perceberam que seria praticamente impossível recapturar a magia do filme original, deixando assim que "E.T. - O Extra-Terrestre" permanecesse um filme único na memória e no coração dos espectadores, mesmo 35 anos depois ter chegado às salas para surpreender e maravilhar o mundo.

VEJA COMO ESTÃO OS ATORES DO FILME.

 

Newsletter

Fique a par de todas as novidades do SAPO Mag. Semanalmente. No seu email.

Notificações

Os temas quentes do cinema, da TV e da música estão nas notificações do SAPO Mag.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.