Esta edição do DocLisboa que arranca esta quinta-feira (22) é apresentada como sendo de resistência, porque terá sessões em sala - e também 'online' - e estender-se-á até março, dividida por módulos, para responder às circunstâncias da pandemia da covid-19.

"Quando subitamente 2020 é abalroado por uma pandemia que obriga ao confinamento e ao isolamento social, sentimos que espaços democráticos de discussão coletiva seriam fundamentais. O Doclisboa teria de contribuir para a reconstrução e para o fortalecimento social", afirma a direção do festival em comunicado.

Nesta 18.ª edição, o festival contará com 206 filmes, dos quais 31 em estreia mundial, que serão repartidos por uma programação mensal, em módulos, com sessões em sala e 'online'.

O festival abre na Culturgest com "Nheengatu - A Língua da Amazónia" (foto), que regista a viagem de José Barahona ao encontro de uma população da Amazónia e de uma "língua imposta aos índios pelos antigos colonizadores".

Na primeira semana do DocLisboa, haverá recolha de alimentos não perecíveis e de bens de higiene destinados à União Audiovisual, para serem distribuídos por profissionais do setor artístico cujo trabalho foi afetado pela covid-19.

Haverá pontos de recolha no cinema São Jorge e na Culturgest, sendo pedidos bens como massas alimentares, arroz, leguminosas, enlatados, leite, comida para bebés, dentífricos, papel higiénico e artigos de higiene feminina.

O primeiro módulo do festival estende-se até 01 de novembro contando, entre outros, com os filmes "Guerra", uma estreia mundial da produção correalizada por José Oliveira e Marta Ramos, e "Chelas Nha Kau", do Bagabaga Studios, em parceria com o coletivo Bataclan 1950.

O destaque vai para a descoberta da cinematografia "muito rica e pouco vista" da Geórgia, numa retrospetiva em parceria com a Cinemateca Portuguesa.

O segundo módulo do DocLisboa decorrerá de 5 a 11 de novembro.

Newsletter

Fique a par de todas as novidades do SAPO Mag. Semanalmente. No seu email.

Notificações

Os temas quentes do cinema, da TV e da música estão nas notificações do SAPO Mag.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.