O realizador Sérgio Graciano estreia esta quinta-feira nos cinemas o filme "O Som que Desce na Terra", numa altura em que acaba de filmar uma série, finaliza uma longa-metragem e prepara a rodagem de outra.

"O Som que Desce na Terra", baseado numa história verídica passada na Guerra Colonial, foi rodado em 2019 e deveria ter tido estreia em 2020, acabando por ser adiado mais de um ano por causa da pandemia e dos confinamentos.

O filme conta com argumento de Filipa Poppe e Joana Andrade e, embora seja uma ficção, inspira-se num momento da vida de Maria Estefânia Anachoreta, a mulher que, nos anos de 1960, viajou até Angola, munida de um gravador, para mostrar e registar mensagens entre familiares e militares portugueses destacados na Guerra Colonial.

Protagonizado pela atriz Gabriela Barros, o filme mostra "a visão de uma mulher no meio de uma guerra de homens e o que significa para uma mulher daquela altura, fora do seu tempo, como era a Maria Estefânia Anachoreta, entregar mensagens na Angola profunda, no meio da guerra", afirmou o realizador à agência Lusa.

Apesar do atraso na chegada deste filme aos cinemas, Sérgio Graciano sublinha que existe um contexto de atualidade: "Há poucos filmes sobre a Guerra Colonial, quanto mais vividos por uma mulher e a protagonista ser uma mulher. Nesta altura em que se fala tanto sobre o papel da mulher nada melhor do que aparecer uma história com essa abordagem".

VEJA O TRAILER.

Sérgio Graciano estreia "O Som que Desce na Terra" no meio de um calendário intenso de produções, entre cinema e televisão, que pouco ou nada abrandou no último ano, depois da primeira reabertura da atividade cultural e económica.

Já depois deste filme, Sérgio Graciano fez, por exemplo, a ficção "Salgueiro Maia - O Implicado", sobre um dos capitães da Revolução de Abril de 1974, que só deverá estrear-se em 2022; fez as séries "A Generala", para a plataforma Opto, e "Chegar a Casa", para a RTP.

Na rodagem do filme sobre Salgueiro Maia

No verão rodou a série "A rainha e a bastarda", para a RTP, e na semana passada estreou, na HBO Portugal, a segunda temporada da produção luso-espanhola "Auga Seca", que correalizou com Toño López, e terminou a rodagem da série "Da Mood".

Esta série, produzida também para a estação pública portuguesa, é uma ficção "sobre um professor de música que vive precariamente, tem uma epifania e decide criar uma 'boy band'", contou. Do elenco fazem parte Miguel Raposo, Tiago Teotónio Pereira, José Mata, Diogo Martins e Leo Bahia, entre outros.

Em dezembro, Sérgio Graciano transpõe para cinema o drama "O da Joana", do escritor Valério Romão. O filme, sobre uma mulher grávida que perde o filho, será rodado em dezembro, em Castelo Branco, com a atriz Carolina Carvalho.

Em 2022, Sérgio Graciano rumará à Islândia para rodar a série luso-islandesa "Cold Haven".

Sérgio Graciano, 46 anos, trabalha há cerca de duas décadas em audiovisual, em particular em realização para televisão, em programas de entretenimento, séries e novelas.

Divide este tempo com produções próprias de cinema, entre curta e longa-metragem, a primeira das quais assinada em 2012, intitulada "Assim Assim".

Entre cinema e televisão, a abordagem é distinta, diz.

"Costumamos ter mais tempo para fazer cinema do que para fazer séries e isso muda tudo. Porque o tempo para pensar é outro, o tempo que nos dedicamos ao processo de pré-produção, a ler, à procura de 'decors', o tempo no cinema é mais distendido e permite chegar a outros sítios. Mas também gosto desta rapidez da televisão, porque me estimula, por isso é que faço tantos trabalhos seguidos, mas o cinema de facto é outra coisa, outro processo", admitiu.

Apesar de já ter feito de tudo, convocado por outras produtoras, Sérgio Graciano considera que, em nome próprio, se mantém ainda "um bocadinho da guerrilha", tal era no começo da carreira: "Ultra independente, sem apoios, agarrar na câmara e começar a filmar. Foi na altura em que surgiram as câmaras fotográficas que também filmavam bem. Essa democratização do material ajudou muito à evolução de uma série de técnicos e de artistas".

Tudo o que se passa à frente e atrás das câmaras!

Receba o melhor do SAPO Mag, semanalmente, no seu email.

Os temas quentes do cinema, da TV e da música!

Ative as notificações do SAPO Mag.

O que está a dar na TV, no cinema e na música!

Siga o SAPO nas redes sociais. Use a #SAPOmag nas suas publicações.