“A Herdade”, de Tiago Guedes, venceu na cerimónia de quinta-feira (17) os prémios Sophia de melhor filme e melhor realização, numa edição em que o produtor desta obra, Paulo Branco, pediu o fim das “pequenas guerrilhas” no cinema português.

Na oitava edição dos prémios Sophia, atribuídos pela Academia Portuguesa de Cinema no Casino Estoril (Cascais), o filme “A Herdade” estava nomeado em 15 categorias, tendo conquistado sete galardões, entre os quais os de melhor filme, realização e interpretação feminina principal e secundária, por Sandra Faleiro e Ana Vilela Costa.

Coube a Paulo Branco receber o prémio de melhor filme, mas o produtor deixou-o em suspenso: “Não levo o prémio, levarei para o ano se alguma coisa mudar entre nós todos”.

Recordando que quando começou a trabalhar, na década 1970, “todos tinham prazer que os outros filmassem e com meios muito inferiores aos que existem agora”, Paulo Branco criticou as “pequenas guerrilhas”, os “pequenos golpes” e as invejas entre os profissionais do cinema e audiovisual.

Paulo Branco

“Não vamos a lado nenhum se for assim. Não podemos exigir às instituições se entre nós não mudarmos completamente a maneira como nos olhamos uns aos outros. Há espaço para tudo, para os maus, para os medíocres e para os bons”, disse o produtor.

Outro dos filmes favoritos desta edição era “Variações”, de João Maia, tendo arrecadado também sete prémios, entre os quais os de melhor representação masculina, para Sérgio Praia – no papel de António Variações – e para o ator Filipe Duarte, distinguido a título póstumo como melhor ator secundário.

Filipe Duarte em "Variações"

Destaque ainda para o facto de o realizador Tiago Guedes ter vencido três prémios da Academia Portuguesa de Cinema: o de melhor realizador com “A Herdade”, o de argumento original, repartido com o escritor Rui Cardoso Martins por este filme, e o de melhor argumento adaptado pelo filme “Tristeza e Alegria na Vida das Girafas”, que também realizou.

Ao longo da noite, alguns dos premiados, como Sandra Faleiro e Edgar Medina – premiado pela série “Sul” -, manifestaram solidariedade para com os profissionais do setor que estão “a passar dificuldades com enorme dignidade e esforço”.

“A pandemia foi uma espécie de lupa para o sistema em que estamos a viver; não há política cultural. Estamos a viver tempos muito difíceis”, lamentou Sandra Faleiro, protagonista de “A Herdade”.

Nesta edição dos Sophia, “Tio Tomás, a Contabilidade dos Dias”, de Regina Pessoa, foi eleita a melhor curta de animação, “Raposa”, de Leonor Noivo, a melhor curta-metragem documental e “Fábrica”, de Diogo Barbosa, a melhor curta de ficção.

“Até que o Porno nos Separe”, de Jorge Pelicano, venceu o prémio de melhor documentário.

Os Prémios Sophia são uma iniciativa da Academia Portuguesa de Cinema, instituição que atribuiu ainda prémios de carreira aos realizadores Fernando Matos Silva, António-Pedro Vasconcelos e Alfredo Tropa, recentemente falecido.

A cerimónia deveria ter acontecido em março, mas foi adiada para setembro por causa da covid-19.

Numa edição em que esteve presente o secretário de Estado do Cinema, Audiovisual e Media, Nuno Artur Silva, foi ainda transmitida uma mensagem do Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, que disse acompanhar atentamente o cinema português, “antes e durante esta pandemia”, e que conhece os problemas do setor.

"Os problemas legais, as questões burocráticas, os entraves orçamentais, a falta de sensibilidade cultural e política e, como se não bastasse tudo isto, os problemas sanitários, afetando gravemente a produção, a distribuição e a exibição", disse.

Lista dos premiados

Melhor Filme

A Herdade, de Tiago Guedes

Melhor Realizador

Tiago Guedes (A Herdade)

Melhor Ator Principal

Sérgio Praia (Variações)

Melhor Atriz Principal

Sandra Faleiro (A Herdade)

Melhor Actor Secundário

Filipe Duarte (Variações)

Melhor Actriz Secundária

Ana Vilela da Costa (A Herdade)

Melhor Documentário em Longa-Metragem

Até Que o Porno Nos Separe, de Jorge Pelicano

Melhor Série/Telefilme

Sul, de Ivo M. Ferreira

Melhor Argumento Original

A Herdade, por Rui Cardoso Martins e Tiago Guedes

Melhor Argumento Adaptado

Tristeza e Alegria na Vida das Girafas, por Tiago Rodrigues e Tiago Guedes

Melhor Direção de Fotografia

A Herdade

Melhor Som

Variações

Melhor Montagem

A Herdade

Melhor Direção Artística

O Grande Circo Místico

Melhor Guarda-Roupa

Variações

Melhor Efeitos Especiais/Caracterização

Diamantino

Melhor Maquilhagem e Cabelos

Variações

Melhor Banda Sonora Original

Variações

Melhor Canção Original

Quero Dar Nas Vistas, de Variações

Melhor Curta-Metragem de Ficção

A Fábrica, de Diogo Barbosa

Melhor Curta-Metragem de Documentário

Raposa, de Leonor Noivo

Melhor Curta-Metragem de Animação

Tio Tomás, A Contabilidade dos Dias, de Regina Pessoa

Prémio Sophia Estudante

Loop (Ricardo M. Leite, Escola Superior de Media, Artes e Design)

Prémio Sophia Carreira

Alfredo Tropa, António-Pedro Vasconcelos e Fernando Matos Silva

Newsletter

Fique a par de todas as novidades do SAPO Mag. Semanalmente. No seu email.

Notificações

Os temas quentes do cinema, da TV e da música estão nas notificações do SAPO Mag.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.