O realizador russo Kirill Serebrennikov, a cumprir prisão domiciliária há um ano, em Moscovo, foi nomeado comandante da Ordem das Artes e das Letras num decreto assinado hoje pela ministra da Cultura de França, Françoise Nyssen, noticiou a AFP.

Kirill Serebrennikov é acusado de ter desviado através perto de um milhão de euros de dinheiros públicos, acusação que o realizador classifica de "absurda".

O realizador e encenador viu recentemente a prisão domiciliária prorrogada até 22 de agosto.

A prisão do cineasta e encenador causou uma onda de contestação no meio artístico russo e internacional, que acusam a Rússia de ter detido o cineasta por motivos políticos.

Entre as entidades que têm contestado a prisão do realizador conta-se a organização do Festival de Avignon que, além de ter reivindicado a libertação imediata de Kirill Serebrennikov, programou uma das suas peças para a edição de 2019 do certame.

A organização do Festival de Cinema de Cannes foi outro dos organismos que se insurgiram contra a situação do realizador uma vez que esta inviabilizou a sua deslocação à última edição do Festival onde, em maio último, o seu filme “Summer” foi apresentado em competição.

Na ocasião, a cadeira onde o realizador se devia sentar ficou vazia, sem que, porém, a organização do certame lhe tenha prestado homenagem na passadeira vermelha e o público tenha acolhido o seu último trabalho com uma forte ovação.

A 10 de maio último, a Rússia confirmou ter recebido e recusado um pedido do Festival de Cannes para que o realizador estivesse presente no evento, alegando que "ninguém tem o direito e o poder de influenciar decisões judiciais".

O delegado-geral do festival de cinema de Cannes, Thierry Frémeaux, afirmou em conferência de imprensa que Cannes e o governo francês enviaram um pedido a Moscovo para que Serebrennikov fosse autorizado a sair do país, para participar na estreia do filme.

Segundo Frémeaux, o festival recebeu uma resposta pessoal do presidente russo, Vladimir Putin, dizendo que o realizador "tem problemas com a justiça" e que nada pode fazer, "porque os tribunais são independentes".

"Summer" (2018)

"Summer" conta a história do músico Víktor Tsoi, um dos nomes do rock soviético, que morreu em 1990, mas para a produtora Ilya Stewart, tudo o que Serebrennikov faz "tem relação com a atualidade, seja no cinema ou no teatro".

"Summer" concorreu à Palma d'Ouro e foi montado em casa do realizador em fevereiro, sem qualquer contacto com o mundo exterior.

A prisão domiciliária de Kirill Serebrennikov deveria ter terminado a 19 de abril, o que lhe permitiria viajar para Cannes, mas, na altura, a justiça russa prolongou-a até 19 de julho.

Newsletter

Fique a par de todas as novidades do SAPO Mag. Semanalmente. No seu email.

Notificações

Os temas quentes do cinema, da TV e da música estão nas notificações do SAPO Mag.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.