Acabam de ser anunciados na cerimónia de encerramento da 15ª edição do Festival de Cinema Queer Lisboa, os prémios das Secções Competitivas para a Melhor Longa-Metragem, Melhor Documentário e o Prémio do Público para a Melhor Curta-Metragem.

O Júri da Secção Competitiva para a Melhor Longa-Metragem, composto por
Beatriz Batarda,
Albano Jerónimo e Sam Ashby, decidiu os vencedores dos seguintes prémios.

O Prémio para o
Melhor Filme desta edição do Queer Lisboa foi atribuído à longa-metragem brasileira
«Rosa Morena», de Carlos Oliveira, um prémio no valor de 1.000,00€, atribuído pela Absolut Vodka. Segundo o júri, «escolher a Melhor Longa-Metragem foi uma decisão muito difícil para o Júri mas acabámos por decidir reconhecer o filme que mais nos desafiou e que levantou o maior número de complexas questões morais. Pelo seu corajoso e honesto retrato da luta desesperada e, por vezes, perigosa de um homem gay pelo seu direito a ser pai, tendo como pano de fundo o extraordinário cenário das favelas de São Paulo, atribuímos o prémio de Melhor Longa-Metragem a «Rosa Morena», de Carlos Oliveira».

O Prémio de Menção para o
Melhor Ator foi para o intérprete chileno
Roberto Farias pela sua interpretação em
«Mi Último Round», de Julio Jorquera. Segundo o júri, «pelo seu zelo, simplicidade e dedicação à jornada da sua personagem em direção à aceitação de um inesperado estilo de vida, o ator caracteriza com verdade e humanidade a riqueza do ponto de vista de Julio Jorquera sobre as contradições dentro de uma pequena comunidade masculina no Sul do Chile».

Em relação ao Prémio de Menção para a
Melhor Atriz o Júri decidiu por unanimidade premiar a interpretação da alemã
Corinna Harfouch no filme
«Auf der Suche», de Jan Kurger. De acordo com ojúri, «pela sua interpretação sólida, económica e contida, da jornada de uma mãe para encontrar o seu filho enquanto lida com uma profunda inquietação interior. O júri considera que Corinna foi habilmente ao encontro da visão do realizador Jan Kurger da batalha de uma mulher para superar-se a si mesma e atender às necessidades de um outro».

O Júri da Secção Competitiva para o
Melhor Documentário, composto por
Miguel Gonçalves Mendes, Claudia Mauti e Franck Finance-Madureira, decidiu atribuir o Prémio de Melhor Documentário ao filme indiano
«I Am», de
Sonali Gulati, um prémio no valor de 3.000,00€ atribuído pela RTP 2, pela compra dos direitos de exibição do filme neste canal. Segundo o júri, «um filme forte e ao mesmo tocante que nos conta uma história de um modo pessoal que, começando na relação da realizadora com a sua mãe, se torna num retrato político e social de um país».

Para o Prémio do Público da Secção Competitiva para a
Melhor Curta-Metragem, o público do Queer Lisboa premiou a curta-metragem de ficção brasileira
«Eu Não Quero Voltar Sozinho», de Daniel Ribeiro, um prémio no valor de 1.000,00€, atribuído pela Jameson. A história de Leonardo, um adolescente cego que tem de lidar com os sentimentos despertados pelo seu novo colega Gabriel, seduziu o público do Queer Lisboa 15, que lhe concedeu o prémio atribuindo-lhe uma nota média de 8,7 numa escala de 1 a 10.

A organização considera que o Queer Lisboa encerra com nota positiva esta edição especial de aniversário, tendo exibido 84 filmes de mais de 30 nacionalidades, com um total de cerca de 8000 espetadores contabilizados nas suas sessões de cinema que decorreram durante nove dias no Cinema São Jorge.

Newsletter

Fique a par de todas as novidades do SAPO Mag. Semanalmente. No seu email.

Notificações

Os temas quentes do cinema, da TV e da música estão nas notificações do SAPO Mag.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.