"Mudbound - As Lamas do Mississípi" era um filme da Netflix e foi o caso de maior sucesso na última edição dos Óscares, conseguindo quatro nomeações, incluindo a de Melhor Atriz Secundária para Mary J. Blige.

No entanto, Steven Spielberg defendeu durante uma entrevista à  ITV News que este tipo de produções nem sequer deviam concorrer a esses prémios.

Para o realizador, o serviço de streaming aproveita-se de um pormenor técnico: a regra da Academia de Artes e Ciências Cinematográficas de que os filmes têm de estar numa sala de cinema no condado de Los Angeles durante uma semana para se qualificarem. E garante que a facilidade de lançar um filme na Netflix vai prejudicar o próprio cinema no futuro.

"Menos e menos realizadores vão ter de lutar para conseguir o dinheiro ou competir em [festival de cinema] Sundance ou conseguir uma daquelas divisões especializadas dos estúdios para lançar os seus filmes nas salas de cinema", explicou.

Spielberg acrescenta que os realizadores vão ser atraídos para serviços de streaming como a Netflix porque poderá ser um caminho parcialmente mais fácil para ganhar prémios, outro estratagema com o qual não concorda.

"Mais e mais deles vão deixar o negócio dos serviços de streaming financiar os seus filmes, talvez com a promessa de uma pequena janela de uma semana nas salas de cinema para se qualificarem para os prémios. Mas, na verdade, a partir do momento em que se comprometem com um formato televisivo, são um telefilme", salientou.

Os bons filmes da Netflix, acaba por dizer, "merecem um Emmy, mas não um Óscar."

Newsletter

Fique a par de todas as novidades do SAPO Mag. Semanalmente. No seu email.

Notificações

Os temas quentes do cinema, da TV e da música estão nas notificações do SAPO Mag.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.