Os estúdios de Hollywood preparam-se para a inevitabilidade de adiar a estreia de mais filmes importantes, dando praticamente por perdida a temporada de verão, uma das mais lucrativas do ano nas bilheteiras.

Até esta sexta-feira (20), a pandemia de coronavírus já matou 10.049 pessoas em todo o mundo e há mais de 246 mil casos contabilizados. Para evitar uma situação ainda mais catastrófica, milhões de pessoas fecharam-se em casa.

Hollywood trava a fundo com pandemia COVID-19: "Estamos a receber cancelamentos a torto e a direito"
Hollywood trava a fundo com pandemia COVID-19: "Estamos a receber cancelamentos a torto e a direito"
Ver artigo

Com o reforço das medidas de contenção, incluindo o encerramento das salas de cinema em muitos países, desde 4 de março que Hollywood anda a adiar a estreia dos seus filmes mais importantes: "007: Sem Tempo Para Morrer", "Um Lugar Silencioso 2", "Mulan", "Os Novos Mutantes", "Peter Rabbit: Coelho à Solta", "Viúva Negra" e "Velocidade Furiosa 9".

Esta quinta-feira (19), foi a vez da animação "Mínimos 2", prevista para o fim de junho, o que a publicação especializada Variety considerou um indício de que os estúdios começam a prever o pior para a evolução do seu negócio.

Também o The Wrap falou com os principais responsáveis pela distribuição de vários estúdios e surgiu uma imagem do que é a previsão mais otimista: a dos cinemas reabrirem por volta do meio do verão.

Isto iria afetar ainda a estreia de filmes como "Mulher-Maravilha 1984", atualmente previsto para 4 de junho, mas também "Scooby!" (15 de maio), "Artemis Fowl" (29 de maio), "Greyhound" (12 de junho), a animação da Pixar "Soul - Uma Aventura com Alma" (19 de junho), "Top Gun: Maverick" (24 de junho) e "Free Guy" (3 de julho).

Mas estas fontes adiantaram que existe a possibilidade de toda a temporada de verão estar perdida porque a origem do coronavírus ainda é pouco conhecida e especialistas e políticos avisaram que, se não for rapidamente controlada, pode entrar por julho ou ainda mais tempo.

Ou seja, ainda seriam afetados pelo menos "Caça-Fantasmas: O Legado" (10 de julho), o fime de Christopher Nolan "Tenet" (17 de julho), "Bob's Burgers: The Movie" (17 de julho), "Jungle Cruise - A Maldição nos Confins da Selva" (24 de julho), o filme de Wes Anderson "The French Dispatch (24 de julho), "Morbius" (31 de julho) e "Malignant" (14 de agosto).

O The Wrap revela que os estúdios andam a discutir vários planos de contingência baseados em quando a crise desaparecerá e os cinemas podem reabrir as suas portas.

Tudo vai depender do que cada estúdio tiver no calendário, mas o consenso é que os todos vão querer garantir pelo menos duas ou três semanas após a reabertura antes de começarem a lançar os filmes mais caros.

A primeira opção será estrear os de menor orçamento que têm sido adiados, tanto por não precisarem de orçamentos tão grandes de marketing como para testar a vontade dos espectadores regressaram aos cinemas.

"Mas o ponto principal seria ter um grande 'blockbuster' que traria toda a gente de volta. Neste momento, não há como saber se esse filme seria 'Mulher-Maravilha' ou um reagendado 'Mulan' ou até um filme original como 'Tenet' de Christopher Nolan. Pode ser apenas um filme com a sorte de ter o seu lançamento original programado para reabrir ou um estúdio a ser muito agressivo nos seus reagendamentos", explicou Shawn Robbins, um analista do BoxOffice Media.

Hollywood volta a antecipar por causa do COVID-19: cinemas fechados, "Birds of Prey" mais cedo em casa
Hollywood volta a antecipar por causa do COVID-19: cinemas fechados, "Birds of Prey" mais cedo em casa
Ver artigo

Outro efeito do coronavírus é a interrupção da rodagem e pós-produção de vários filmes (e séries): quanto mais tempo durar, mais improvável será que estejam prontos aqueles que estão agendados para os últimos quatro meses deste ano, como "Eternals" da Marvel, "Halloween Kills", "Venom 2", "Dune" e a nova versão de "West Side Story" de Steven Spielberg.

Um executivo de distribuição disse que os estúdios podem simplesmente seguir uma estratégia geral de adiantar todas essas estreias no calendário o número de meses em que a indústria estiver parada e ocupar essas lacunas com os filmes que foram agora adiados.

E entre os lançamentos antecipados em video-on-demand dos filmes que estavam agora nos cinemas e os grandes títulos do verão a estrear entre novembro e o natal, a consequência poderá ser uma Hollywood muito diferente e com consequências duradoiras para a distribuição de cinema...

Mais informações sobre o COVID-19.

Newsletter

Fique a par de todas as novidades do SAPO Mag. Semanalmente. No seu email.

Notificações

Os temas quentes do cinema, da TV e da música estão nas notificações do SAPO Mag.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.